Líder de Hong Kong não atende demandas de manifestantes mesmo após marcha de 800 mil pessoas

"Não poderia aceitar essas exigências, apenas com o propósito de satisfazer as aspirações das pessoas"
Por Frank Fang
11 de Diciembre de 2019
Actualizado: 11 de Diciembre de 2019

A líder de Hong Kong , Carrie Lam , disse que não cumprirá com as cinco exigências dos manifestantes em sua conferência de imprensa semanal de 10 de dezembro, depois que 800.000 pessoas marcharam através do centro da cidade dois dias antes.

Em 8 de dezembro, o grupo ativista local pró-democracia Frente Civil de Direitos Humanos (CHRF) organizou outra passeata pedindo ao governo da cidade para atender às cinco exigências, que incluem o sufrágio universal e de pesquisa independente dos casos de violência policial.

O grupo disse que Hong Kong está localizado em um “ponto de inflexão” e enfrenta uma “crise humanitária”.

Leia também:
Manifestantes em Hong Kong tentam se manifestar e polícia faz várias prisões

Durante a conferência de imprensa, um repórter perguntou a Lam: “Depois dessa grande participação eleitoral e dos protestos do domingo, você admiti que não não há uma maioria silenciosa por trás você?”.

Lam não respondeu diretamente a questão, evitando comentários sobre se o seu governo em favor de Pequim ou o movimento em favor da democracia contam com maior apoio da opinião pública. Os funcionários chineses e os meios de comunicação do Estado têm feito repetidas declarações em que afirmam que uma “maioria silenciosa” de Hongkongers não apoia os protestos em andamento.

Mais de 2,94 milhões dentre os 4,12 milhões de Hongkongers habilitados para votação emitiram seus votos nas eleições do conselho do distrito local da cidade, em 24 de novembro. O lado de pró-Pequim perdeu mais de 200 dos 452 assentos na câmara do distrito, o que garantiu ao lado pró-democracia uma vitória esmagadora.

Em vez de responder a pergunta do repórter, Lam disse que o fato de que a polícia havia autorizao a manifestação de 8 de dezembro é um sinal de que o governo da cidade estava “defendendo todos os direitos e liberdades dos cidadãos de Hong Kong”. Ela criticou as “acusações” que seu governo está tirando a liberdade das pessoas, chamando-as de “infundadas”.

A CHRF obteve uma singular aprovação policial exclusiva em 8 de dezembro. Anteriormente eles haviam planejado três marchas, em 31 de agosto, em 1º de outubro e em 20 de outubro, todas rejeitadas pela polícia devido à “preocupação com a segurança pública”.

Lam continuou repetindo sua opinião de que o seu governo já havia respondido às demandas dos manifestantes retirando um controverso projeto de lei de extradição. Essa legislação, que muitos temiam que iria comprometer a independência judiciária da cidade, desencadeado os atuais protestos massivos que começaram em junho.

Quanto às demandas que poderiam “se desviar da lei”, “não respeitar o estado de direito”, ou “fazer coisas que na realidade estão além do poder do chefe do executivo”, Lam expressa: “Não poderia aceitar essas exigências, apenas com o propósito de satisfazer as aspirações das pessoas”.

A estudante ativista residente em Hong Kong Joey Siu, em uma entrevista recentemente ao programa americano American Thought Leaders, do Epoch Times, disse que a luta pela a direitos humanos e pela democracia em Hong Kong está mais concentrado em se opor ao Partido Comunista da China (PCC) porque o governo de Hong Kong é manipulado como seu fantoche.

Lam criticou policiais locais anônimos por terem contactado governos estrangeiros e lhes pedido para impor penalidades ou tomar outras medidas contra Hong Kong.

Os manifestantes de Hong Kong organizaram dois eventos para demonstrar seu agradecimento ao governo do Estados Unidos, depois de o presidente Donald Trump assinar em 27 de novembro a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong. Parte da lei permite ao presidente impor sanções sobre as autoridades de Hong Kong e da China no Estados Unidos pelas violações de direitos humanos cometidos na cidade.

Atualmente, a bandeira do Estados Unidos é vista com frequência nas marchas e eventos em Hong Kong.

Além disso , durante a coletiva de imprensa, Lam disse que viajará a Pequim em 14 de dezembro em sua visita regular para relatar o que aconteceu na cidade durante o ano passado, bem como apresentar um esboço do que o governo pretende fazer no próximo ano.

Quando perguntada se haveria ser alguma discussão sobre o Artigo 23 em Pequim, Lam não respondeu.

O Artigo 23, uma lei anti-subversão que muitos temiam que afetaria as liberdades civi , foi rejeitada após um protesto em massa em 2003. Embora alguns funcionários em Hong Kong favoráveis a Pequim tenham apoiado a reintrodução do projeto de lei, isso ainda não aconteceu.

Durante a coletiva de imprensa, Lam também disse que um professor e vários estudantes foram presos em 9 de dezembro sob a acusação de tentar tomar o controle das ruas em Sheng Shui.

Além disso, ela disse que ordenou a Kevin Yeung, secretário de Educação em Hong Kong, que ça um “rastreamento severo” dos casos de professores que tenham sido presos ou que estejam envolvidos em “violência”.

Em 9 de dezembro, a polícia de Hong Kong anunciou que desde junho já fez 6.022 prisões de Hong Kongers com idade entre 11 e 84 anos por acusações como realização de reuniões ilegais e provocação de distúrbios. Dos presos, 2.393 são estudantes.

A polícia também anunciou que disparou cerca de 16 mil projéteis de gás lacrimogêneo, 10 mil balas de borracha, 2.000 balas verdadeiras e 1.850 bombas de efeito moral de junho até agora.

O Instituto de Pesquisa de Opinião Públia de Hong Kong (HKPORI), em sua mais recente pesquisa envolvendo 1.014 pessoas e realizada entre 28 de novembro a 3 de dezembro, mostrou que a aprovação de Lam caiu 19,7 pontos, em comparação com os 44,7 pontos no final de maio.

TE RECOMENDAMOS