Macri e Fernández confrontam diferenças diante da crise na Venezuela durante o debate presidencial na Argentina

Por PACHI VALENCIA
15 de Octubre de 2019
Actualizado: 16 de Octubre de 2019

As posições de Macri e Fernández sobre a Venezuela e o regime de Maduro foram uma das questões mais controversas durante o debate presidencial na Argentina, em 13 de outubro.

Macri criticou a neutralidade de Alberto Fernández sobre a ditadura venezuelana, enquanto Fernández novamente garantiu que não deseja intervir nos problemas da Venezuela.

“A presidente Kirchner condecorou o ditador Maduro com a ordem de San Martín, reconhecemos o presidente Guaidó e denunciamos a violação dos direitos humanos na Venezuela. Nisto não pode haver discursos duplos, ou você está com a ditadura ou com a democracia. E a neutralidade é endossar a ditadura”, disse Macri durante seu discurso sobre a questão das relações internacionais no início do debate.

De modo contrário, Fernández, candidato pela Frente de Todos, deixou o tempo passar e não respondeu imediatamente, mas no final do discurso ele mencionou a questão.

“Não quero evitar a questão da Venezuela, porque todo mundo sabe o que penso (…) quero que os venezuelanos resolvam o problema, não quero intervir na Venezuela”, afastando assim da crise do país.

Por outro lado, o vice-presidente de Macri, Miguel Ángel Pichetto, falou em uma rádio argentina sobre as declarações de Fernandez na segunda-feira dizendo que este último não poderia condenar o regime de Castro porque Cristina Kirchner ainda tem relações com Nicolás Maduro e Raúl Castro .

“Você não pode dizer [que a Venezuela é uma ditadura] porque o responsável é a ex-presidente e vice-candidata que tem compromissos lá”, disse Pichetto.

A presidente argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Nicolás Maduro em Caracas em 29 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ / AFP / Getty Images)
A presidente argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Nicolás Maduro em Caracas em 29 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ / AFP / Getty Images)

No mundo de hoje, as consequências de atos estúpidos, como continuar a ter vínculos com a ditadura de narcotraficantes e cubanos que ocupam a polícia secreta e que trabalham e dominam praticamente o cenário repressivo da Venezuela, são pagas com isolamento”, acrescentou o candidato a vice-presidente.

Em uma entrevista ao programa Telenoche do canal El Trece em 20 de agosto, Alberto Fernández disse que se alinharia com a posição do México e do Uruguai sobre a situação na Venezuela se vencer as eleições de outubro.

“Não concordo com todas essas propostas que enumeraram parte da América Latina por trás de Trump e aprecio muito a proposta de López Obrador e Tabaré Vázquez”, disse Fernández, acrescentando que os dois presidentes se unirão para “tentar encontrar um saída para a Venezuela. ”

Ao contrário das fortes denúncias da maioria dos países latino-americanos contra o regime de Nicolás Maduro, o México e o Uruguai estão abrindo caminho para a não intervenção no intuito de solucionar a crise venezuelana.

Ambos os países não fazem parte do Grupo de Lima, um fórum que reúne 14 países da região que consideram Juan Guaidó o presidente legítimo da Venezuela até a convocação de eleições livres e rejeitam o regime de Maduro.

O presidente da Assembléia Nacional e o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, participa por videoconferência de uma reunião de ministros das Relações Exteriores dos países que compõem o Grupo Lima em 23 de julho de 2019, em Buenos Aires, Argentina (EFE / Juan Ignacio Roncoroni)
O presidente da Assembléia Nacional e o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, participa por videoconferência de uma reunião de ministros das Relações Exteriores dos países que compõem o Grupo de Lima, em 23 de julho de 2019, em Buenos Aires, Argentina (EFE / Juan Ignacio Roncoroni)

Dias após sua declaração na Venezuela, o candidato pela Frente de Todos disse que “as ditaduras têm uma origem não democrática, e [esse] não é o caso na Venezuela”, durante uma entrevista em uma mídia local em 25 de agosto.

“É difícil qualificar um governo eleito como ditadura; um governo eleito pode se tornar um governo autoritário”, disse Fernández depois que Luis Majul, jornalista do programa La Cornisa, perguntou a ele por que ele não caracterizou a Venezuela” como uma ditadura, como ela é “.

Majul respondeu: “Ela não tem eleições”, ao qual Fernández responde: “Sim, mas as instituições estão trabalhando lá (…) há uma assembléia, há tribunais. Uma ditadura geralmente não tem essas coisas. ”

Em 23 de janeiro, Guaidó assumiu e os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecê-lo como presidente legítimo. A partir daí, mais de 50 países o reconheceram. Na região, apenas alguns como Cuba e Bolívia apóiam abertamente Maduro. México e Uruguai dizem que não se envolverão, mas reconhecem as autoridades de Maduro em seus países.

Por outro lado, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, alertou que a Argentina está seguindo os passos da Venezuela, após a vitória de Fernández sobre Macri nas eleições primárias.

“A Argentina está afundando no caos. A Argentina começa a seguir o curso da Venezuela porque os bandidos de esquerda começaram a retornar ao poder”, afirmou.

A candidatura de Alberto Fernández conquistou 47,65% dos votos, contra 32,08% obtida pela aliança liderada pelo atual presidente argentino, Mauricio Macri, com 98,67% das mesas de votação, nas eleições preliminares . As eleições finais serão no dia 27 de outubro.

Bolsonaro ressaltou que Fernández, que esteve no governo da Argentina de 2007 a 2015, está ligado aos ex-presidentes brasileiros Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, a Cuba e aos venezuelanos Hugo Chávez e Nicolás Maduro, a quem Bolsonaro culpa pelo declínio econômico da região.

Revelado o segredo do negócio bilionário da China

 

Revelado o segredo do negócio bilionário da China

Revelado o segredo do negócio bilionário da ChinaComo a China conseguiu se tornar o segundo país do mundo em transplantes? O modo como todos os países obtêm seus órgãos não está disponível para eles. Todos os dias, dezenas de pessoas são executadas ou mortas para a obtenção de seus órgãos na China.

اس پر ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ نے شائع کیا بدھ، 11 ستمبر، 2019

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS