Macri e Fernández confrontam diferenças diante da crise na Venezuela durante o debate presidencial na Argentina

Por PACHI VALENCIA
15 de Octubre de 2019 Actualizado: 16 de Octubre de 2019

As posições de Macri e Fernández sobre a Venezuela e o regime de Maduro foram uma das questões mais controversas durante o debate presidencial na Argentina, em 13 de outubro.

Macri criticou a neutralidade de Alberto Fernández sobre a ditadura venezuelana, enquanto Fernández novamente garantiu que não deseja intervir nos problemas da Venezuela.

“A presidente Kirchner condecorou o ditador Maduro com a ordem de San Martín, reconhecemos o presidente Guaidó e denunciamos a violação dos direitos humanos na Venezuela. Nisto não pode haver discursos duplos, ou você está com a ditadura ou com a democracia. E a neutralidade é endossar a ditadura”, disse Macri durante seu discurso sobre a questão das relações internacionais no início do debate.

De modo contrário, Fernández, candidato pela Frente de Todos, deixou o tempo passar e não respondeu imediatamente, mas no final do discurso ele mencionou a questão.

“Não quero evitar a questão da Venezuela, porque todo mundo sabe o que penso (…) quero que os venezuelanos resolvam o problema, não quero intervir na Venezuela”, afastando assim da crise do país.

Por outro lado, o vice-presidente de Macri, Miguel Ángel Pichetto, falou em uma rádio argentina sobre as declarações de Fernandez na segunda-feira dizendo que este último não poderia condenar o regime de Castro porque Cristina Kirchner ainda tem relações com Nicolás Maduro e Raúl Castro .

“Você não pode dizer [que a Venezuela é uma ditadura] porque o responsável é a ex-presidente e vice-candidata que tem compromissos lá”, disse Pichetto.

A presidente argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Nicolás Maduro em Caracas em 29 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ / AFP / Getty Images)
A presidente argentina Cristina Kirchner e o venezuelano Nicolás Maduro em Caracas em 29 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ / AFP / Getty Images)

No mundo de hoje, as consequências de atos estúpidos, como continuar a ter vínculos com a ditadura de narcotraficantes e cubanos que ocupam a polícia secreta e que trabalham e dominam praticamente o cenário repressivo da Venezuela, são pagas com isolamento”, acrescentou o candidato a vice-presidente.

Em uma entrevista ao programa Telenoche do canal El Trece em 20 de agosto, Alberto Fernández disse que se alinharia com a posição do México e do Uruguai sobre a situação na Venezuela se vencer as eleições de outubro.

“Não concordo com todas essas propostas que enumeraram parte da América Latina por trás de Trump e aprecio muito a proposta de López Obrador e Tabaré Vázquez”, disse Fernández, acrescentando que os dois presidentes se unirão para “tentar encontrar um saída para a Venezuela. ”

Ao contrário das fortes denúncias da maioria dos países latino-americanos contra o regime de Nicolás Maduro, o México e o Uruguai estão abrindo caminho para a não intervenção no intuito de solucionar a crise venezuelana.

Ambos os países não fazem parte do Grupo de Lima, um fórum que reúne 14 países da região que consideram Juan Guaidó o presidente legítimo da Venezuela até a convocação de eleições livres e rejeitam o regime de Maduro.

O presidente da Assembléia Nacional e o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, participa por videoconferência de uma reunião de ministros das Relações Exteriores dos países que compõem o Grupo Lima em 23 de julho de 2019, em Buenos Aires, Argentina (EFE / Juan Ignacio Roncoroni)
O presidente da Assembléia Nacional e o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, participa por videoconferência de uma reunião de ministros das Relações Exteriores dos países que compõem o Grupo de Lima, em 23 de julho de 2019, em Buenos Aires, Argentina (EFE / Juan Ignacio Roncoroni)

Dias após sua declaração na Venezuela, o candidato pela Frente de Todos disse que “as ditaduras têm uma origem não democrática, e [esse] não é o caso na Venezuela”, durante uma entrevista em uma mídia local em 25 de agosto.

“É difícil qualificar um governo eleito como ditadura; um governo eleito pode se tornar um governo autoritário”, disse Fernández depois que Luis Majul, jornalista do programa La Cornisa, perguntou a ele por que ele não caracterizou a Venezuela” como uma ditadura, como ela é “.

Majul respondeu: “Ela não tem eleições”, ao qual Fernández responde: “Sim, mas as instituições estão trabalhando lá (…) há uma assembléia, há tribunais. Uma ditadura geralmente não tem essas coisas. ”

Em 23 de janeiro, Guaidó assumiu e os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecê-lo como presidente legítimo. A partir daí, mais de 50 países o reconheceram. Na região, apenas alguns como Cuba e Bolívia apóiam abertamente Maduro. México e Uruguai dizem que não se envolverão, mas reconhecem as autoridades de Maduro em seus países.

Por outro lado, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, alertou que a Argentina está seguindo os passos da Venezuela, após a vitória de Fernández sobre Macri nas eleições primárias.

“A Argentina está afundando no caos. A Argentina começa a seguir o curso da Venezuela porque os bandidos de esquerda começaram a retornar ao poder”, afirmou.

A candidatura de Alberto Fernández conquistou 47,65% dos votos, contra 32,08% obtida pela aliança liderada pelo atual presidente argentino, Mauricio Macri, com 98,67% das mesas de votação, nas eleições preliminares . As eleições finais serão no dia 27 de outubro.

Bolsonaro ressaltou que Fernández, que esteve no governo da Argentina de 2007 a 2015, está ligado aos ex-presidentes brasileiros Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, a Cuba e aos venezuelanos Hugo Chávez e Nicolás Maduro, a quem Bolsonaro culpa pelo declínio econômico da região.

Revelado o segredo do negócio bilionário da China

 

Revelado o segredo do negócio bilionário da China

Revelado o segredo do negócio bilionário da ChinaComo a China conseguiu se tornar o segundo país do mundo em transplantes? O modo como todos os países obtêm seus órgãos não está disponível para eles. Todos os dias, dezenas de pessoas são executadas ou mortas para a obtenção de seus órgãos na China.

اس پر ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ نے شائع کیا بدھ، 11 ستمبر، 2019

 

TE RECOMENDAMOS