Maduro e seu regime atribuem incidentes no Chile à ‘brisa bolivariana’

O ditador venezuelano Nicolás Maduro disse em um evento público televisionado no domingo que todos os projetos delineados no Foro de São Paulo estão sendo cumpridos
Por JULIÁN BERTONE
21 de Octubre de 2019
Actualizado: 21 de Octubre de 2019

A onda de protestos e incidentes desencadeados no Chile no final de semana, bem como os conflitos que ocorreram em Quito, Equador, no início de outubro, foram reivindicados abertamente por Diosdado Cabello e Nicolás Maduro.

A ditadura venezuelana tem atribuído os eventos violentos a uma “brisa bolivariana”, como Cabello, o número dois do chavismo, a denominou mantendo a mesma retórica e alertando para a possibilidade dela se tornar um “furacão”.

Leia também:

“Estamos felizes por haver uma brisa bolivariana por toda a América”, disse Cabello em uma transmissão de mobilização na televisão nacional e acrescentou: “Ore para que Deus fique na brisa, porque, à medida que avançamos, ela já está se tornando uma ventania para se tornar um furacão bolivariano que viajará pela grande pátria da América”.

O líder chegou a traçar o percurso: de “um pouco mais alto”, de “Rio Grande” à Patagônia, no extremo sul, disse ele.

O presidente da Assembléia Nacional Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello (C), levanta o punho durante uma manifestação para comemorar o 11º aniversário da fundação da Juventude do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) em Caracas, em 12 de setembro de 2019 (FEDERICO PARRA / AFP / Getty Images)
O presidente da Assembléia Nacional Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello (C), levanta o punho durante uma manifestação para comemorar o 11º aniversário da fundação da Juventude do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) em Caracas, em 12 de setembro de 2019 (FEDERICO PARRA / AFP / Getty Images)

O ditador venezuelano Nicolás Maduro disse em um evento público televisionado no domingo que todos os projetos delineados no Foro de São Paulo estão sendo cumpridos.

“Foro de São Paulo, posso dizer da Venezuela, estamos cumprindo o plano”, disse Maduro e acrescentou: “O plano está indo como planejamos, é perfeito. Você me entende. Foro de São Paulo, o plano está em pleno desenvolvimento. Todas as metas que estabelecemos para nós no Foro de São Paulo estão sendo cumpridas uma a uma”.

Leia também:

No mesmo discurso, ele indicou que “o Foro de São Paulo saiu revitalizado” e que eles devem “continuar a articular os partidos políticos progressistas, revolucionários e de esquerda” de toda a América Latina com os “movimentos sociais”.

“Essa foi a estratégia que estabelecemos e estamos indo bem, estamos indo melhor do que pensávamos”, afirmou Maduro.

Por sua vez, Julio Borges, comissário especial para as relações exteriores da Venezuela, foi um dos que apontaram que, por trás dos protestos no Equador e no Chile, existe uma “estratégia de desestabilização internacional” atribuída a Maduro e Cuba.

Em um tweet publicado no sábado, Borges disse: “É hora de unir forças!”, e denunciou que o que aconteceu no Chile não foi “por acaso”. “Nenhuma democracia está a salvo do plano de desestabilização que Maduro e Cuba dirigem”, escreveu ele, relacionando-o também a uma seção do Foro de São Paulo, onde se fala do Chile.

Manifestantes enfrentam soldados durante um protesto em Valparaíso, no Chile, em 21 de outubro de 2019 (Foto por JAVIER TORRES / AFP via Getty Images)
Manifestantes enfrentam soldados durante um protesto em Valparaíso, no Chile, em 21 de outubro de 2019 (Foto por JAVIER TORRES / AFP via Getty Images)

O ex-prefeito de Caracas no exílio, Antonio Ledezma, também alertou a comunidade internacional neste domingo com uma publicação em sua conta no Twitter, onde ele diz que os protestos que abalam o Equador e o Chile, também mencionando Argentina e Peru, têm seu “centro de operações “em Cuba” e sua fonte de financiamento na Venezuela”.

“Eles passam pela Argentina, Equador, Chile e Peru, enquanto consolidam o México, Bolívia e Nicarágua”, tuitou Ledezma.

Leia também:

O Supremo Tribunal de Justiça no exílio, nomeado pela Assembléia Nacional presidida por Juan Guaidó, também apontou os mesmos culpados e não apenas atribuiu os protestos no Equador e no Chile, mas também os vinculou a episódios semelhantes em vários países da América Latina.

“Os eventos que se seguiram à reunião do Foro de São Paulo produziram situações factuais nas repúblicas do Peru, Equador, Colômbia e agora Chile, alterando a tranquilidade e estabilidade dos países mencionados, produzindo vandalismo para propósitos irreconhecíveis dos protestos cívicos permitidos na democracia, colocando em risco a estabilidade democrática, governança, segurança, propriedade e estabilidade”, afirma o Tribunal em uma declaração oficial emitida no sábado, 19 de outubro, por Washington.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, não deu nome ou responsável, mas declarou que seu governo “está em guerra” contra um “inimigo poderoso e implacável, que não respeita nada ou ninguém”.

Leia também:

Os protestos no Chile foram desencadeados na segunda-feira passada em resposta a um decreto do governo para aumentar o preço da passagem de metrô em Santiago, no Chile, o que levou o presidente Piñera a decretar um “estado de emergência”, mobilizando o exército nas ruas da capital e, finalmente retirando o aumento anunciado.

Esses protestos acontecem duas semanas depois que violentas mobilizações indígenas e sociais no Equador obrigaram o presidente Lenín Moreno a suspender uma série de medidas econômicas implementadas no âmbito de um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Indígenas e camponeses bloqueiam uma estrada em protesto contra a política econômica do governo do presidente equatoriano Lenin Moreno em Machachi, província de Pichincha, nos arredores de Quito, em 7 de outubro de 2019 (RODRIGO BUENDIA / AFP via Getty Images)
Indígenas e camponeses bloqueiam uma estrada em protesto contra a política econômica do governo do presidente equatoriano Lenin Moreno em Machachi, província de Pichincha, nos arredores de Quito, em 7 de outubro de 2019 (RODRIGO BUENDIA / AFP via Getty Images)

Anteriormente, revoltas semelhantes ocorreram em Bogotá, Colômbia, quando milhares de estudantes se manifestaram contra a corrupção no início de outubro, havia grupos de homens encapuzados que vandalizavam edifícios, estações de transporte e atacavam a polícia com pedras, com incidentes semelhantes. ao mesmo tempo em outra parte do país.

Leia também:

Por outro lado, no Peru, vários grupos saíram às ruas para apoiar a dissolução inconstitucional do Congresso perpetrada pelo presidente Martín Vizcarra, que anunciou o fechamento do Parlamento e novas eleições legislativas em 30 de setembro, depois de acusar o Congresso de distrair o trabalho do Governo com várias interpelações a seus ministros e pressionar a renúncia de membros de seu gabinete pelo voto majoritário do partido de direita de Keiko Fujimori..

Pachi Valencia contribuiu para este artigo.

***

Assista também:

Os Valentes

Os Valentes

"Os Valentes" é uma série inspirada na vida e no trabalho de algumas pessoas ao redor do mundo que ousaram enfrentar um crime brutal e contínuo contra a humanidade. Essas pessoas incorporam um profundo senso de convicção e possuem valores que são verdadeiramente inspiradores para a humanidade. Nesta primeira entrevista exclusiva, conversamos com Ethan Gutmann, um jornalista investigativo indicado ao Prêmio Nobel da Paz de 2017, sobre seu trabalho ousado, seu livro especial e sua mensagem para os hispânicos.

اس پر ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ نے شائع کیا جمعہ، 18 اکتوبر، 2019

 

TE RECOMENDAMOS