Maduro pede US$ 200 milhões à ONU para repatriar venezuelanos no Peru

Por EFE
30 de Septiembre de 2019 6:28 PM Actualizado: 30 de Septiembre de 2019 6:28 PM

Caracas, 30 set (EFE)- O líder do regime na Venezuela, Nicolás Maduro, pediu US$ 200 milhões à ONU, nesta segunda-feira, para repatriar os venezuelanos que emigraram ao Peru nos últimos anos, fugindo da severa crise econômica no país natal.

“Se os senhores me derem US$ 200 milhões, trago todos os venezuelanos do Peru de avião em um mês”, disse o governante durante uma entrevista coletiva em Caracas.

Maduro direcionou o pedido ao secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, à alta comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e à agência da ONU para os refugiados (Acnur).

“Trago todos em dez ou 15 aviões de 300 lugares. O plano ‘Volta à Pátria’ tem uma limitação, não temos aviões suficientes para trazer os mais de 100 mil venezuelanos que se inscreveram para retornar”, comentou.

O governante condenou novamente a “xenofobia” sofrida no Peru, onde vivem cerca de 850 mil venezuelanos. Segundo Maduro, alguns deles quais sofreram “discriminação e exploração selvagem”.

Segundo a ONU, Peru, Colômbia e Equador receberam o maior volume dos mais de quatro milhões de venezuelanos que abandonaram o país nos últimos anos em consequência da crise humanitária.

Até o primeiro semestre de 2019, de acordo com dados oficiais, o “Plano Volta à Pátria” havia proporcionado o retorno de mais de 14 mil migrantes venezuelanos que estavam em países da região, entre eles Brasil, Peru, Equador, Colômbia, República Dominicana, Argentina, Chile, Panamá e Uruguai.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.