Manifestantes em Hong Kong tentam se manifestar e polícia faz várias prisões

A campanha de protesto finalmente não decolou devido à falta de participação
09 de Diciembre de 2019 11:58 AM Actualizado: 09 de Diciembre de 2019 11:58 AM

Por Annie Wu, Epoch Times

Internautas de Hong Kong planejaram uma manifestação na manhã de 9 de dezembro em 10 distritos locais, na esperança de estabelecer barreiras e interromper o transporte público no semestre do aniversário dos protestos em massa.

Aproximadamente um milhão de pessoas compareceu à marcha em 9 de junho, opondo-se ao projeto de extradição agora retirado que causou indignação pública, pois isso permitiria ao regime chinês transferir indivíduos para o continente para serem julgados em tribunais controlados pelo Partido Comunista. O evento desencadeou meses de protestos que continuam em andamento.

A polícia foi vista em vários lugares onde os internautas haviam planejado uma paralisação, incluindo Mongkok, Wanchai, Causeway Bay e Tai Po.

Leia também:
Pequim é enganada por sua própria propaganda e por Carrie Lam sobre eleições em Hong Kong, revela infiltrado

Em Tseung Kwan O, manifestantes bloquearam as estradas. A polícia deteve dois homens e uma mulher, de acordo com o jornal local Apple Daily.

Em Mongkok, por volta das 7h, horário local, a polícia foi vista prendendo cidadãos e interrogando-os.

Perto de Nathan Road, por volta das 8:40 da manhã, alguém pressionou o botão de parada de emergência de um ônibus local. A polícia com equipamento anti-distúrbios apareceu e entrou no ônibus, perguntando sobre o incidente. Eles acabaram saindo sem prender ninguém.

Enquanto isso, na estação de metrô Tai Shui Hang, um homem foi preso por suspeita de tentar danificar um vagão de trem, de acordo com a mídia local HK01. E no shopping Kai Tin, no bairro de Lam Tin, a polícia subitamente entrou e prendeu um homem. A situação em torno da detenção permanece incerta.

Na estação de metrô Tuen Mun, por volta das 7h30, dezenas de manifestantes mascarados impediram o fechamento das portas do trem, de acordo com o HK01. Um grupo de pessoas que disseram que estavam lá para proteger a ferrovia brigou com o outro grupo. A polícia chegou para acalmar a disputa. Aproximadamente às oito da manhã, os serviços ferroviários foram retomados.

A campanha de protesto finalmente não decolou devido à falta de participação.

No dia anterior, cerca de 800 mil manifestantes participaram de uma marcha pelo centro de Hong Kong com o objetivo de reiterar suas demandas de que o governo de Hong Kong investigue o uso da força pela polícia e promulgue reformas para permitir o sufrágio universal nas eleições municipais.

À noite, o governo emitiu uma declaração em resposta à marcha, reiterando seu apoio à polícia “para manter a segurança e a ordem públicas”. Ele também condenou um ataque incendiário contra o Tribunal de Última Instância de Hong Kong e o Tribunal Superior que ocorreu à tarde. A polícia atribuiu o ataque aos manifestantes que jogaram bombas de gasolina nos prédios.

“O governo espera trabalhar junto com toda a comunidade para acabar com a violência, defender o estado de direito, restaurar a ordem social e encontrar uma saída para os problemas profundos de Hong Kong através do diálogo”, afirmou o comunicado.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.