Manifestantes protestam na Cidade do México contra políticas de AMLO

Participantes leram um posicionamento no final do evento e anunciaram que realizarão outra mobilização em 1º de dezembro, quando completará um ano desde a posse de Obrador

Por Jesús de León
02 de Septiembre de 2019 6:35 AM Actualizado: 02 de Septiembre de 2019 6:42 AM

Na Cidade do México, no domingo (1º), foi realizado um protesto contra as políticas do presidente Andrés Manuel López Obrador, durante sua apresentação, no Palácio Nacional, do primeiro relatório de governo.

“Estamos nos reunindo para expressar desacordo sobre a maneira como estão sendo conduzidas as decisões que o governo está tomando para o país”, disse o co-fundador do grupo civil Chalecos México, um dos grupos organizadores do protesto, para a Agência EFE.

Gabriel Quadri, membro da organização Futuro 21 e ex-candidato à presidência, disse que a manifestação é importante “para criar um movimento capaz de conter o comunismo em nosso país; é importante reagir a tempo de evitar o que aconteceu na Venezuela”, segundo El Universal.

O protesto começou na capital do México às 11 horas, horário local, no icônico Ángel de la Independencia do Paseo de la Reforma, reunindo cerca de 3.000 pessoas que foram ao Monumento da Revolução. Segundo o El Universal, a polícia disse que havia 200 manifestantes.

Milhares de pessoas participam de manifestação contra o presidente Andrés Manuel López Obrador neste domingo (1º), na Cidade do México (México), no âmbito da apresentação de seu primeiro relatório de governo (Sáshenka Gutiérrez/EFE)
Milhares de pessoas participam de manifestação contra o presidente Andrés Manuel López Obrador neste domingo (1º), na Cidade do México (México), no âmbito da apresentação de seu primeiro relatório de governo (Sáshenka Gutiérrez/EFE)

Durante todo o protesto, realizado de maneira pacífica, foram ouvidos gritos de “Fora López” e “México, México”.

“Viemos pedir e exigir, (…), que não dividam mais o país, porque o México somos todos nós, somos um país e devemos estar unidos para exigir que um México seguro nos seja devolvido, sem impunidade, sem corrupção ”, afirmou um dos participantes, segundo o Animal Politico.

Também foram vistas faixas pedindo a renúncia do presidente, pertencentes ao esquerdista Movimento de Regeneração Nacional (Morena) e outros que denunciaram que o presidente é um “perigo” para o país.

Progresso do México

Homero Velázquez disse que o objetivo da concentração é garantir “a defesa do Estado de Direito, o respeito à Constituição e a defesa do progresso do México”.

Ele considerou que os “dados concretos” refletem que as políticas de López Obrador “não estão funcionando”, especialmente em questões econômicas.

De fato, na apresentação do relatório do governo no Palácio Nacional, López Obrador reconheceu que a economia do país cresceu “pouco”.

O México teve um crescimento de 0% no segundo trimestre de 2019 em comparação com o trimestre anterior, e o governo admitiu uma desaceleração.

De uma maneira muito semelhante também se posicionou a manifestante Doris, que disse que os cidadãos estão “cansados” do “autoritarismo” de López Obrador.

Outro manifestante, o empresário Sergio Durán, explicou à Efe que o país “está parado”, principalmente na área econômica, e pediu uma mudança de governo porque “o povo não aguenta mais”.

“Essas mobilizações que estamos realizando (que nos permitem) ter mais força e não permitir a falência deste país”, concluiu.

Os grupos que convocaram o protesto foram: Futuro 21, Observatório Cidadão, ProNAIM, Contrapeso, Chalecos México, México 21, México Convoca, X México e Sociedade Civil, de acordo com Animal Politico.

Os manifestantes leram um posicionamento no final do evento e anunciaram que realizarão outra mobilização em 1º de dezembro, quando completará um ano desde a posse de Lopez Obrador.

Com informações da Agência EFE 

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.