Mascarados invadem e incendeiam gráfica do Epoch Times em Hong Kong (Vídeo)

Informações sobre a situação em Hong Kong são apenas o exemplo mais recente da cobertura crítica do PCC feita pelo Epoch Times, que lhe valeu a inimizade do Partido Comunista Chinês
19 de Noviembre de 2019 Actualizado: 19 de Noviembre de 2019

Por Eva Fu, Epoch Times

Quatro mascarados vestidos de preto atearam fogo na imprensa da edição de Hong Kong do Epoch Times nas primeiras horas de 19 de novembro, marcando assim o quarto ataque que a instalação sofreu desde a sua abertura, há mais de uma década. Acredita-se que o ataque seja o exemplo mais recente dos esforços do Partido Comunista Chinês (PCC) para silenciar o Epoch Times.

O porta-voz da edição condenou veementemente o incidente, dizendo que ele tinha as características das táticas empregadas pelo Partido Comunista Chinês (PCC), com o objetivo de intimidar o jornal e impedir que ele informe sobre questões consideradas sensíveis pelo regime.

Leia também:
Hackers contratados pelo regime chinês interceptam mensagens de texto de todo o mundo, diz relatório

O Epoch Times é uma das poucas mídias independentes em Hong Kong e é conhecido por cobrir a política interna das facções dentro do Partido, bem como a supressão das liberdades pelo regime, tanto em casa quanto no exterior. Ele também informa com veracidade sobre os protestos em andamento em Hong Kong.

Vandalismo

O diretor de impressão disse que o incidente ocorreu por volta das 3:40 da manhã nas instalações localizadas na área de Mong Kok, pois a equipe estava prestes a enviar jornais recém-impressos para as estações de distribuição.

No entanto, momentos depois que a equipe de impressão abriu a porta da gráfica, quatro homens mascarados entraram na instalação e apontaram os cassetetes para os trabalhadores, gritando: “Ninguém se mexa!”

As imagens de vídeo feitas pelas câmeras de vigilância da gráfica mostram dois dos homens vestidos de preto segurando cassetetes, enquanto outro segura jornais e outro carrega dois recipientes contendo um líquido inflamável, que ele derramou nas máquinas e nos jornais impressos.

Imagens das câmeras de segurança mostram quatro intrusos mascarados que atearam fogo à imprensa do escritório do Epoch Times em Hong Kong em 19 de novembro (Epoch Times)
Imagens das câmeras de segurança mostram quatro intrusos mascarados que atearam fogo à imprensa do escritório do Epoch Times em Hong Kong em 19 de novembro (Epoch Times)

O outro homem vestido de preto acendeu o fogo com um isqueiro. Os quatro homens fugiram imediatamente após o início dos incêndios. Todo o incidente durou cerca de dois minutos.

Duas máquinas de impressão, quatro rolos de papel de impressão e várias pilhas de jornais foram atingidos pelo fogo. Alguns papéis também foram danificados pela água. A fábrica ainda está avaliando o valor do prejuízo.

Ataque à liberdade de imprensa

Cheryl Ng, porta-voz do escritório de Hong Kong, condenou o ataque, chamando-o de “um crime contra a liberdade de imprensa em Hong Kong”. Ele disse que há razões para acreditar que o PCC está por trás desse vandalismo.

“O fato dos bandidos estarem vestidos de terno preto como se fossem manifestantes também parece uma tática do PCC tentando usar pessoas contra pessoas”, acrescentou.

Ng disse que o ponto de venda foi atacado devido a seus relatos verdadeiros sobre questões relacionadas à China, incluindo os protestos em andamento em Hong Kong, que se tornaram um movimento de massas contra a suposta invasão da autonomia da cidade por parte do PCC.

Guo Jun, diretor do escritório de Hong Kong, disse que há várias questões que sugerem que o PCC está tentando denegrir os manifestantes. Os participantes dos protestos disseram que grande parte da violência foi resultado do conluio do PCC com as tríades locais, acrescentou. A polícia admitiu em uma entrevista coletiva que eles tinham agentes disfarçados de manifestantes.

Este incêndio é o quarto ataque à imprensa de Hong Kong do Epoch Times. Em fevereiro de 2006, bandidos invadiram a gráfica e tentaram destruir as máquinas. Em outubro de 2012, a porta da gráfica foi danificada. Em dezembro de 2012, sete homens apareceram carregando várias caixas de ferramentas para tentar arrombar a porta. Eles fugiram depois que a polícia foi chamada.

O Epoch Times tem feito uma cobertura honesta e completa dos protestos em Hong Kong, dando ao povo de Hong Kong e ao povo da China Continental que visitam a cidade a oportunidade de saber o que realmente está acontecendo.

Por exemplo, depois que a polícia de Hong Kong sitiou o campus da Universidade Chinesa de Hong Kong, seis jornais de Hong Kong publicaram em 12 de novembro anúncios de primeira página que ecoavam a retórica de Pequim que atacava os manifestantes. Somente o Epoch Times e o Apple Daily cobriram essa escalada de táticas policiais em suas capas.

Informações sobre a situação em Hong Kong são apenas o exemplo mais recente da cobertura crítica do PCC feita pelo Epoch Times, que lhe valeu a inimizade do Partido Comunista Chinês.

Siga Eva no Twitter @EvaSailEast

TE RECOMENDAMOS