Militares que se revoltaram contra Maduro deixam embaixada do Panamá

Por efe
09 de Diciembre de 2019 8:48 PM Actualizado: 09 de Diciembre de 2019 8:48 PM

Cidade do Panamá, 9 dez – Militares venezuelanos que foram recebidos como “hóspedes” na embaixada do Panamá em Caracas depois de participar em abril de um fracassado levante contra o governo de Nicolás Maduro deixaram nesta segunda-feira a sede da representação diplomática panamenha no país.

“Depois de agradecer ao Panamá a estadia como hóspedes, os militares venezuelanos comunicaram aos nossos funcionários a decisão de deixar nossa sede diplomática”, disse o Ministério das Relações Exteriores do Panamá em comunicado.

Na nota, o Panamá afirma que informou ao governo da Venezuela que recebeu 16 militares como hóspedes na embaixada. No entanto, o país não diz o destino do grupo.

“Desde o início tivemos como prioridade não somente a integridade de nossa sede diplomática em Caracas, mas também dessas pessoas e de nossa equipe em Caracas”, completou o órgão.

A revelação de que os militares estavam na embaixada do Panamá em Caracas foi feita em julho pelo ministro das Relações do país, Alejandro Ferrer. O chanceler considerou a situação como “delicada” pela reação do governo de Maduro, que se queixou de que o grupo ainda planejava ações para derrubar o chavismo do poder.

O governo da Venezuela chegou, inclusive, a questionar se o Panamá teve participação no levante organizado por militares que apoiam o autoproclamado presidente do país, Juan Guaidó.

À época, o chanceler panamenho prometeu que trabalharia para que a embaixada em Caracas não fosse usada para outro fim que não representar os interesses diplomáticos do país na Venezuela.

O Panamá é um dos mais de 50 países que reconhecem Guaidó como presidente. Laurentino Cortizo, que assumiu a presidência panamenha em julho, defende o diálogo como a única forma de resolver a crise na Venezuela.

Em entrevista à “CNN” pouco depois da posse, Cortizo disse que estava disposto a ser sede de um diálogo entre chavistas e opositores.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.