Netanyahu confirma relação entre grupo terrorista Hezbollah e Venezuela

Por Anastasia Gubin
10 de Diciembre de 2019
Actualizado: 10 de Diciembre de 2019

O primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu confirmou na segunda-feira (9) os vínculos entre a ditadura de Nicolás Maduro e o grupo terrorista Hezbollah diante da afirmação e consulta ao comissário de Relações Exteriores da Venezuela, Julio Borges, em uma reunião conjunta em seu país.

“Definitivamente, não duvide. Eu também posso confirmar”, disse Netanyahu ao Comissário de Relações Exteriores, de acordo com vídeo divulgado pelo embaixador da Venezuela nos Estados Unidos, Carlos Vecchio, em sua conta no Twitter.

Borges disse em seu Twitter que sua delegação denunciou perante o primeiro-ministro Netanyahu “os laços de Maduro com grupos terroristas como o Hezbollah, bem como a ameaça representada por sua ditadura e por Cuba à paz e à segurança do hemisfério”.

Leia também:
Polícia Nacional de Israel abre escritório de cooperação no Brasil

“O mundo precisa saber o perigo que representa”, acrescentou.

O presidente encarregado, Juan Guaidó, destacou em suas redes sociais a resposta do presidente israelense reafirmando que “há anos denunciamos a ameaça representada pelo regime de Maduro”.

“Hoje, o primeiro-ministro de Israel nos ratifica”, disse Guaidó.

“A ditadura não é apenas tráfico de drogas, é também terrorismo. Esse terrorismo não destruiu apenas a Venezuela, mas também é um perigo para o mundo”, concluiu o presidente venezuelano.

A presidência venezuelana confirmou que Borges participou de uma reunião com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, onde detalhou os vínculos do regime de Maduro com grupos terroristas como o Hezbollah.

“O regime de Maduro tem vínculos com organizações terroristas como o Hezbollah, e isso é uma séria ameaça à paz e à segurança dos governos. Temos que soar o alarme sobre os perigos por trás disso”, afirmou o comissário.

“Maduro e a ditadura cubana querem acabar com a democracia na região, eles estão levando à desestabilização dos países da região”, disse ele em seguida.

Ele também disse que o objetivo da viagem do diplomata venezuelano é denunciar Maduro como protetor do terrorismo internacional, para “soar o alarme” sobre a seriedade do assunto.

Por fim, Borges disse que, em sua visita a Israel, o que se busca é que as autoridades daquele país entendam que existe um inimigo em comum e, na sua opinião, que o inimigo é violento, portanto, seu chamado é para unir forças a fim de alcançar a paz e liberdade na Venezuela, afirmou a presidência.

Apoiadores do grupo terrorista Hezbollah ouvem o líder Hassan Nasrallah em um discurso televisionado no subúrbio do sul de Beirute em 11 de novembro de 2008 (RAMZI HAIDAR / AFP / Getty Images)
Apoiadores do grupo terrorista Hezbollah ouvem o líder Hassan Nasrallah em um discurso televisionado no subúrbio do sul de Beirute em 11 de novembro de 2008 (RAMZI HAIDAR / AFP / Getty Images)

De acordo com uma análise publicada pelo Comitê de Segurança Nacional do Congresso dos Estados Unidos, em relação ao Irã como financiador do terrorismo, “nos últimos anos, as redes latino-americanas do Hezbollah também cooperaram cada vez mais com cartéis de drogas e grupos criminosos, geralmente com a ajuda de políticos corruptos locais.

Ele também menciona que o cidadão sírio-venezuelano Walid Makled García, classificado pelos Estados Unidos como o rei das drogas, “pode ter sido o depositário de informações privilegiadas sobre a relação Venezuela-Hezbollah, bem como sobre a corrupção e cooperação do governo venezuelano com os cartéis de drogas”.

No entanto, quando Makled foi preso em 2010 na Colômbia, o ex-presidente Obama “se recusou a usar sua influência para levá-lo aos Estados Unidos” e permitir que ele fosse extraditado para a Venezuela.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS