Nova Iorque: garota estuprada 15 vezes por dia em dois motéis exige agora US$ 10 milhões

Por ANASTASIA GUBIN
03 de Noviembre de 2019 Actualizado: 04 de Noviembre de 2019

Uma menina de 10 anos foi estuprada, torturada e espancada de 15 a 20 vezes por dia em dois motéis em Nova Iorque, de acordo com um processo de US $ 10 milhões iniciado pela vítima na terça-feira no Tribunal Federal do Brooklyn, conforme publicado no New York Post em 29 de outubro.

O caso apresentado contra a Wyndham Hotels & Resorts e Choice Hotels Corporation indica que eles foram cúmplices no abuso da criança, agora uma mulher de 20 anos, por “ignorar a presença aberta e óbvia do tráfico sexual em suas propriedades”.

A vítima, identificada como SJ, afirma no documento divulgado pela NYP que ela foi vendida entre 2006 e 2009 para fazer sexo em um dos motéis Howard Johnson no bairro Jamaica Queens, operado por Wyndham, e no Econo Lodge localizado no Bronx, operado pela Choice Hotels, quando ela mal tinha entre 10 e 13 anos.

Sobre como S.J. conheceu seu traficante, ela revela que ela foi enviada para um lar adotivo depois que seu pai foi flagrado abusando dela. Ela acabou escapando do lar adotivo porque também estava sofrendo abuso sexual e físico, e foi então que ela entrou em contato com o traficante.

O traficante, um homem de 25 anos, “aproveitou sua vulnerabilidade” para ganhar sua confiança “levando-a para comer e ir às compras, oferecendo conselhos sobre sua vida e a promessa de que ela poderia fazer parte de sua família”, diz o documento. de acordo com a NYP. Então “ele tirou sua virgindade e forçou-a a servir seus clientes, dizendo-lhe” faça-os felizes assim como você faz com o papai”.

A autora explica que o traficante a levava diariamente para os hotéis Econo Lodge e Howard Johnson, para ser estuprada por clientes sem parar e, quando ele não tinha dinheiro para os quartos no Econo Lodge, ele permitia que a equipe do hotel estuprasse suas vítimas.

Imagem de arquivo (Lauren DeCicca / Getty Images)
Imagem de arquivo (Lauren DeCicca / Getty Images)

J.S. argumenta que, para o pessoal de serviço em ambos os motéis, a atividade criminosa era evidente, porque ao final de cada estadia havia “numerosos preservativos usados” e estes podiam ser vistos “espalhados em várias superfícies”.

Ela também destaca que ela e as outras vítimas do cafetão revelavam sinais claros de abuso físico e detalhes como falta de bagagem e roupas inadequadas.

O processo também observa que os dois motéis assinaram o Código de Conduta para a Proteção das Crianças no Turismo, criado por uma organização líder na luta contra o tráfico de pessoas, a Prostituição Final e o Tráfico de Crianças (ECPAT-EUA).

Cerca de 45% de toda a exploração sexual na cidade de Nova Iorque ocorre em hotéis, diz NYP.

Desde dezembro de 2007, a Linha Nacional Contra o Tráfico de Pessoas dos Estados Unidos, operada pelo Projeto Polaris, recebe denúncias de 51.919 casos de tráfico sexual no país.

Aquele momento em que os pais descobrem que se tornaram avós

Crédito: Jukin, ViralHog, Newsflare.

TE RECOMENDAMOS