Programa espacial da China lança chuva de detritos de foguetes e combustível sobre aldeias

Vídeos do site de microblog do Sina Weibo mostram restos de lixo espacial de lançamentos recentes nos campos de agricultores e um pedaço de foguete caído em um rio local
30 de Noviembre de 2019 2:36 PM Actualizado: 30 de Noviembre de 2019 2:36 PM

Por Chriss Street, Epoch Times

A China foi líder mundial em lançamentos espaciais este ano. No entanto, suas ambiciosas atividades de lançamento espacial colocaram em risco vidas humanas, uma vez que detritos de foguetes e combustível tóxico destruíram aldeias agrícolas e até causaram mortes.

Em 27 de novembro, a China ampliou sua vantagem na corrida espacial com seu 29º lançamento realizado no Centro de Lançamento de Satélites de XiChang. Um dos principais fatores para aumentar o número de lançamentos na China é a operação de seis dos oito principais centros de lançamentos do mundo. Ao contrário das nações que restringem os lançamentos a áreas próximas ao oceano ou desabitadas, a China simplesmente os lança sobre aldeias povoadas sem aviso prévio.

Na China, que compete com os Estados Unidos pelo domínio do espaço, as autoridades do Partido Comunista Chinês (PCC) decidiram conceder acesso excepcional à mídia em 20 de abril para assistir à 100ª missão de sua bem-sucedida série de foguetes Long March-3 com propulsores de reforço, equipado com um segundo estágio que conduziu outro foguete poderoso para implantar seu satélite de navegação Beidou-3I1Q em órbitas geossíncronas.

Leia também: China: vítimas da tecnologia eletromagnética de controle da mente testemunham e buscam ajuda

O professor Greg Autry, da Universidade do Sul da Califórnia (USC), e o especialista em voos espaciais da NASA, chamaram a atenção para as perigosas atividades de lançamento espacial da China pela primeira vez em maio de 2019. Como co-autor, juntamente com Peter Navarro (Assistente do presidente e diretor de Comércio e Política de Fabricação dos Estados Unidos), de premiado filme (gratuito no YouTube) e do livro “Morrer pela China“, Autry é um crítico ferrenho dos riscos ambientais e de segurança para a saúde associada à indústria chinesa.

A transmissão do lançamento chinês no centro de operações foi realizada perfeitamente e o vídeo do lançamento e do voo recebeu críticas muito boas. No entanto, Autry observou que as temperaturas na câmara de combustão principal dos propulsores de lançamento durante a queima de 127 segundos podem exceder 3.315,6 graus Celsius.

Ele também chamou a atenção para um vídeo que um turista israelense pirateou da China no ano passado, no qual gravou um foguete propulsor de reforço que falhou, caindo com todo o seu peso sobre uma vila, seguido por outro foguete propulsor que explodiu em uma bola de fogo, gerando uma nuvem tóxica em forma de cogumelo.

O regime chinês admitiu que o incidente causou 6 mortes e deixou 57 feridos, mas não comentou relatos de vítimas civis dos outros 99 lançamentos do foguete Long March-3 com foguetes propulsores de reforço. Vídeos do site de microblog do Sina Weibo mostram restos de lixo espacial de lançamentos recentes nos campos de agricultores e um foguete caído em um rio local.

O foguete Long March 3B é alimentado por uma mistura hipergólica de dimetil-hidrazina assimétrica e tetróxido de nitrogênio (UDMH, na sigla em inglês). O combustível UDMH é um conhecido agente cancerígeno que é especialmente perigoso porque se mistura facilmente com a água. Sabe-se que o oxidante N204 existente no foguete também causa danos ao fígado. Três astronautas americanos que retornaram do espaço foram salvos de ferimentos graves após serem expostos ao N204 durante a fase de pouso da missão Apollo-Soyuz de 1975.

Em novembro, as autoridades locais da província de Sichuan distribuíram avisos de evacuação para os residentes locais alguns dias antes dos lançamentos feitos em XiChang, nos quais a população era aconselhada a se refugiar antes do lançamento e se proteger dos resíduos que caíam do céu. Mas, pouco antes dos lançamentos, choveram nas redes sociais chinesas fotos e vídeos de foguetes que caíam e esmagavam edifícios, provocando incêndios e que mostravam famílias camponesas fugindo gritando de terror.

Os cientistas chineses foram os pioneiros dos foguetes rudimentares no ano 900. Mas, depois de lançar seu primeiro foguete Long March, baseado em tecnologia soviética em 1970, a China enviou um humano ao espaço em 2003 e colocou seu módulo de pouso Chang4 no lado oculto da lua em janeiro.

O tenente-general Robert Ashley, diretor da Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos, alertou durante a Conferência CyberSat19 realizada em 7 de novembro que a Força de Mísseis do Exército Popular de Libertação está adotando uma estratégia do jogo de tabuleiro “Go” inventado na China há milhares de anos, em que os jogadores colocam estrategicamente peças ou pedras em um tabuleiro para capturar a maior parte do território.

“O objetivo do jogo é bloquear ou negar o acesso territorial ao seu oponente. Ao contrário do xadrez, você não vai atrás de um rei ou dama e não há nenhuma jogada final em que você é declarado vencedor. Adiciona-se pontos no tabuleiro de acordo com a quantidade de território ou espaço que controla. Pense nisso no contexto de negação e defesa aérea”, disse Ashley.

Sob a liderança chinesa de Xi Jinping, o número de satélites no espaço aumentou de 1.150 para 4.994 atualmente. Esse aumento deve-se não apenas à duplicação de lançamentos pela China, mas também ao início de uma “nova era” de múltiplas implantações por lançamento de microssatélites comerciais com peso inferior a 10 kg.

A China planejava pagar por seu jogo de militarização espacial, lançando satélites comerciais para nações ocidentais. Mas o “Sistema de Lançamento Reutilizável SpaceX” dos EUA reduziu o custo de lançamento de um satélite de US$ 5.685 por quilo em 2016 para US$ 1.891 por quilo com seu foguete Falcon 9 em 2017 e está cotando US$ 951 por quilo para as novas missões em 2020.

Chriss Street é especialista em macroeconomia, tecnologia e segurança nacional. Ele atuou como CEO de várias empresas e é um escritor ativo com mais de 1.500 publicações. Ele também oferece regularmente conferências sobre estratégia para estudantes de pós-graduação nas melhores universidades do sul da Califórnia

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.