Rússia e Ucrânia concluem troca de presos em tentativa de normalizar relações

Por EFE
07 de Septiembre de 2019 5:18 PM Actualizado: 07 de Septiembre de 2019 5:18 PM

Moscou/Kiev, 7 set (EFE)- Aviões russos e ucranianos aterrissaram neste sábado nos aeroportos Vnukovo, em Moscou, e de Borispol, perto de Kiev, com 30 presos a bordo que foram trocados pelos países.

Os presos ucranianos libertados pela Rússia, entre eles o cineasta Oleg Sentsov e os 24 tripulantes detidos no ano passado em um impasse naval no mar Negro, segundo as imprensas de ambos os países, serão recebidos pelo presidente da Ucrânia, Vladimir Zelenski, em um terminal do aeroporto de Borispol.

Zelenski está no aeroporto junto ao ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, e ao chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia, Ivan Bakanov, entre outras autoridades.

A troca foi confirmado por várias fontes oficiais em redes sociais. Um representante do gabinete da presidência da Ucrânia, Kirill Timoshenko, divulgou nas redes sociais uma foto dos presos ucranianos já dentro do avião rumo ao país.

A embaixada da Rússia na Ucrânia postou no Twitter uma foto que mostra os presos russos entregues pelo governo de Kiev.

“Os nossos foram libertados! Voam para casa. (Uma libertação) procurada e esperada. Aconteceu!”, diz a mensagem.

Entre os russos envolvidos na troca está o jornalista Kirill Vyshinsky, diretor da agência estatal russa “RIA Novosti” na Ucrânia, que foi detido em 2018 acusado de alta traição e recentemente liberto com acusações.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou na quinta-feira que as negociações com a Ucrânia para a troca de prisioneiros estavam próximas do fim e que a operação seria “grande e importante, um grande passo em frente para a normalização das relações” com a Ucrânia.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.