Secretário de Defesa afirma que EUA estão prontos para apoiar Pompeo nos planos contra Maduro

Por ANASTASIA GUBIN
23 de Diciembre de 2019 10:07 PM Actualizado: 24 de Diciembre de 2019 1:59 AM

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, respondeu a algumas perguntas sobre possíveis ações futuras do Departamento de Defesa contra o regime de ditadura na Venezuela e disse que está pronto para apoiar todos os planos contra Nicolás Maduro, liderados pelo Departamento de Estado e pelo secretário Mike Pompeo.

“Antes de tudo, é um regime brutal de (Nicolás) Maduro”, disse o secretário de Defesa em uma coletiva de imprensa realizada na sede do Pentágono em 20 de dezembro. “O que ele fez ao país e ao povo da Venezuela é horrível”.

“Acho que nos juntamos a vários países, principalmente os da região, para condenar o que o regime deles fez”, acrescentou.

“O Departamento de Estado liderou ações. Apoiamos o que eles querem fazer e estamos preparados para fornecer suporte. Já conversamos sobre isso com o secretário Pompeo, que os apoiaremos nos próximos passos dados”, afirmou.

O secretário Esper não esclareceu quais foram os próximos passos.

Até o momento, as medidas aplicadas pelos Estados Unidos foram sancionar e bloquear os negócios dos membros do regime que apóiam Maduro e os atos de corrupção e lavagem de dinheiro da narcoditadura.

Os Estados Unidos também estão aplicando as medidas adotadas pelos membros da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR). Isso inclui sanções e bloqueio de entrada nos países signatários para 29 membros do regime, incluindo Maduro.

Em uma mensagem no Twitter, Pompeo escreveu horas atrás que o relatório “Direitos Humanos na Venezuela”, relatado oralmente pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, “expõe as violações contínuas e graves que incluem detenções, tortura e execuções pelo antigo regime de Maduro. Chegou a hora de Maduro abrir o caminho para eleições livres e justas na Venezuela.”

O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliott Abrams, também denunciou na sexta-feira que deputados da Assembléia Nacional (AN) da Venezuela estão sendo chantageados pelo regime Maduro para que não apoiem o atual presidente da AN, Juan Guaidó nas próximas eleições legislativas internas que ocorrerão em 5 de janeiro.

“O regime está usando uma combinação de ameaças, prisões e subornos de até US$ 500.000 por voto para impedir a reeleição de Juan Guaidó”, disse Abrams em entrevista coletiva em Washington DC.

Como presidente da AN, Guaidó também ocupa o cargo de presidente encarregado da Venezuela desde 23 de janeiro de 2018. Os planos anunciados por Guaidó são a “Cessação de Usurpação, um governo de transição e eleições democráticas”.

Abrams acusou o regime chavista de “tentar controlar a Assembleia Nacional”, impedindo “eleições livres” em 2020.

Nas últimas horas, deputados da AN denunciaram que Maduro enviou às Forças Especiais FAES e o deputado Gilber Caro foi detido por eles. Ele é um parlamentar que está em uma longa lista de cerca de 30 deputados detidos, em situações clandestinas ou exilados.

Para que isso não os impeça de votar em 5 de janeiro, a AN modificou as regras e permite que eles façam seu voto virtual eletronicamente.

“Da Comissão de Cultos e Regime Penitenciário da AN denunciamos o seqüestro, pelo deputado Gilber Caro, pelo FAES. O regime continua a violar a imunidade parlamentar”, confirmou o deputado Robert Alcalá em seu Twitter.

“O regime volta a atacar a única instituição venezuelana reconhecida no mundo”, disse o deputado Freddy Superlano.

“Na semana em que a @AssemblyVE demonstrou mais força e união do que nunca em uma maioria sólida, hoje Nicolás Maduro ordena o seqüestro do deputado @ GilberCaro”, escreveu Guaidó em seu Twitter.

“Venezuela: preste atenção às contradições da ditadura, que mostra sinais de perda política”, afirmou o presidente.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.