Surto de pneumonia na China Central provoca mais pânico na Ásia

Por EVA FU
07 de Enero de 2020 9:23 PM Actualizado: 07 de Enero de 2020 9:23 PM

Os vizinhos asiáticos da China estão em alerta, enquanto o país continua investigando uma misteriosa cepa de pneumonia que adoeceu 59 moradores que estão recebendo tratamento isoladamente.

Em 7 de janeiro, os hospitais de Hong Kong, na fronteira com o sul da China, admitiram mais nove pacientes com sintomas de febre, infecção respiratória ou pneumonia, elevando o número total de casos suspeitos para 30. Todos os pacientes visitaram recentemente Wuhan, uma movimentada cidade comercial no centro da China, onde a doença começou.

Os pacientes de Hong Kong, com idades entre 2 e 65 anos, permanecem em condição estável; 13 receberam alta.

O governo de Hong Kong disse que alteraria sua lei de saúde nesta semana para adicionar a misteriosa pneumonia Wuhan a uma lista oficial de doenças infecciosas, o que significa que os médicos são obrigados a relatar todos os casos suspeitos ou confirmados às autoridades de saúde.

As autoridades de saúde de Wuhan relataram que a doença foi detectada inicialmente em 12 de dezembro. As autoridades de saúde chinesas disseram estar monitorando de perto 163 pessoas que tiveram contato com os infectados, mas ainda precisam identificar a cepa de pneumonia ou confirmar a fonte da doença. Ainda não está claro se o vírus é contagioso.

Um dos pacientes, um trabalhador do mercado de frutos do mar de 44 anos de sobrenome Wang, teve contas médicas que chegaram a até 43.000 yuanes (6.191 dólares), de acordo com o China Business Journal, um jornal em língua chinesa afiliado ao Conselho de Estado do regime chinês. Wang sofreu febre alta por mais de uma semana antes de ir ao hospital em 24 de dezembro. As tomografias computadorizadas descobriram sombras brancas pairando sobre dois terços dos pulmões de Wang, disse o parente de Wang na saída do local.

As autoridades de saúde suspeitam que o surto tenha se originado no Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan e o fecharam temporariamente desde o Ano Novo.

O Hospital Central de Wuhan, onde alguns pacientes estão recebendo tratamento, se recusou a comentar quando contatado pelo Epoch Times em língua chinesa.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças disseram ao Epoch Times em 6 de janeiro que estão “coordenando de perto” com a Organização Mundial da Saúde e divulgarão quaisquer desenvolvimentos à medida que surgirem.

Vários países e regiões vizinhos tomaram medidas para impedir a propagação da doença viral.

Chuang Jen-hsiang, vice-diretor geral dos Centros de Controle de Doenças de Taiwan, sugeriu que um novo tipo de coronavírus – uma família de vírus que produz SARS e MERS – possa ser a fonte. Chuang disse que, se novos casos continuarem surgindo após 14 de janeiro – 14 dias após o fechamento do mercado -, isso pode sugerir que o vírus é transmissível de pessoa para pessoa. O período de incubação de um coronavírus é de até 14 dias, disse Chuang.

Na Tailândia, as autoridades mantiveram em quarentena três cidadãos tailandeses e um menino chinês de três anos depois que pareciam febris após uma visita a Wuhan, informou a mídia local Bangkok Post.

Suwanchai Wattanayingcharoenchai, chefe do Departamento de Controle de Doenças do país, disse na segunda-feira que o garoto estava gripado, enquanto um estudante tailandês de 22 anos teve uma infecção respiratória pelo vírus sincicial, segundo o jornal. Suwanchai disse que ainda estão aguardando os resultados dos testes de laboratório dos outros dois pacientes, com idades entre 24 e 44 anos, respectivamente.

O governo tailandês intensificou seu alerta para o nível 2 após o aumento das suspeitas de infecções.

Os principais aeroportos da Tailândia, como os aeroportos de Suvarnabhumi, Don Mueang, Chiang Mai e Phuket, instalaram scanners térmicos infravermelhos nas salas de chegada para verificar a temperatura corporal dos passageiros que estão chegando. Taiwan, Hong Kong e Macau também adotaram medidas semelhantes.

Taiwan identificou oito pessoas que apresentaram sintomas respiratórios leves ou febre após viajarem para Wuhan.

O secretário de Saúde das Filipinas, Francisco Duque, aconselhou os moradores a evitar viajar para a China e adiar qualquer plano de viagem para Wuhan até que haja um aviso claro das autoridades de saúde chinesas, de acordo com o principal jornal local Manila Bulletin.

Duque instou o público a “procurar atendimento médico imediato se tiver algum sintoma semelhante à gripe”, principalmente se eles foram recentemente para a China, disse ele em um comunicado à imprensa no dia 5 de janeiro.

Após o surto de Wuhan, o Ministério da Saúde do Japão também emitiu uma declaração em 6 de janeiro, aconselhando os moradores que estiverem com suspeita de sintomas de pneumonia após visitarem Wuhan a informarem as instituições médicas.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

*******

Assista também:

A história dos 36 ocidentais que foram à China

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.