Trump demite John Bolton, assessor de Segurança Nacional

Por EFE
10 de Septiembre de 2019
Actualizado: 10 de Septiembre de 2019

Washington, 10 set (EFE)- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou esta terça-feira demissão do seu assessor de Segurança Nacional, John Bolton, e destacou ter discordado de muitas das sugestões feitas pelo conselheiro.

“Informei a John Bolton ontem à noite que seus serviços não são mais necessários na Casa Branca. Discordei fortemente de muitas de suas sugestões, assim como outras da administração, e, portanto, pedi a John sua demissão, que me foi entregue nesta manhã”, afirmou Trump em mensagem no Twitter.

“Agradeço muito a John por seu serviço. Vou nomear um novo consultor de segurança nacional na próxima semana”, completou o chefe de governo dos EUA.

Conhecido pelas suas posições beligerantes a respeito da Coreia do Norte e do Irã, Bolton era a terceira pessoa que ocupava o cargo desde a chegada de Trump à Casa Branca, em janeiro de 2017, após Michael Flynn e H.R. McMaster. Ele já havia sido reprovado pelo presidente pelo fracasso na estratégia a respeito da Venezuela.

Segundo a agenda enviada pela Casa Branca, menos de uma hora antes do anúncio de Trump, Bolton figurava como um dos participantes de um ato junto com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

O agora ex-funcionário do governo reagiu à demissão também via Twitter, com uma breve mensagem. “Ofereci a minha demissão na noite passada, e o presidente Trump disse: ‘Falemos amanhã sobre isso'”, escreveu o ex-assessor.

John Bolton foi um dos promotores do falso argumento sobre as armas de destruição em massa, que levou à invasão do Iraque em 2003. Em 2006, teve que deixar o cargo de embaixador americano para as Nações Unidas depois de apenas 14 meses, devido à recusa do Senado americano a confirmá-lo definitivamente para ocupar o posto.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS