Abrams sobre Venezuela: ‘Oposição vencerá as eleições da AN se forem livres’

Em 5 de janeiro, os deputados da AN deverão escolher um novo líder, cargo atualmente ocupado por Guaidó e que lhe permitiu se posicionar como presidente interino do país em 23 de janeiro de 2018
Por Voice of America
21 de Diciembre de 2019
Actualizado: 21 de Diciembre de 2019

O enviado especial dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams, denunciou na sexta-feira (20) que deputados da opositora Assembleia Nacional estão sendo chantageados pelo regime de Nicolás Maduro para que não apoiem Juan Guaidó nas próximas eleições internas do legislativo.

“O regime está usando uma combinação de ameaças, prisões e subornos de até US$ 500 mil por voto para impedir a reeleição de Juan Guaidó”, disse Abrams em entrevista coletiva em Washington DC.

O diplomata acusou o regime chavista de “tentar controlar a Assembleia Nacional”, impedindo “eleições livres” em 2020.

Leia também:
Venezuela não atende aos padrões internacionais de segurança da aviação e portanto não haverá voos para EUA

“Qualquer pesquisa feita mostra o óbvio: a oposição vencerá (a presidência da AN) se [as eleições] forem livres”, disse Abrams.

Em 5 de janeiro, os deputados da AN deverão escolher um novo líder, cargo atualmente ocupado por Guaidó e que lhe permitiu se posicionar como presidente interino do país em 23 de janeiro de 2018.

As declarações de Abrams fazem eco às alegações apresentadas por vários membros do partido de Guaidó, o Vontade Popular, no início do mês, do pagamento de propina em troca de uma votação contra o atual presidente interino.

Abrams disse que recebeu informações de que deputados da oposição aceitaram os pagamentos. No entanto, ele disse que não é um fenômeno “suficientemente generalizado para mudar o resultado” das eleições.

“Acho que até o dia de hoje Guaidó tem os votos necessários para ser reeleito”, afirmou o diplomata.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS