Argentina e Brasil estabelecem ‘linha direta’  em relações comerciais

Por EFE
28 de Diciembre de 2019
Actualizado: 28 de Diciembre de 2019

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá, e seu colega brasileiro, Ernesto Araújo, mantiveram uma extensa conversa na quinta-feira na qual concordaram em estabelecer uma “linha direta” para discutir políticas comuns de relações comerciais entre os dois países, informaram fontes oficiais.

 “A relação entre Argentina e Brasil é entre dois países irmãos que historicamente mantêm relações comerciais, culturais e políticas frutíferas”, disse o ministro das Relações Exteriores da Argentina em uma teleconferência com Araújo que durou uma hora e meia.

O Ministério das Relações Exteriores, o Comércio Internacional e o Culto Argentino indicaram em comunicado que Araújo convidou Solá para ir à Brasília, e ele viajará para o país vizinho em 31 de janeiro.

O Brasil é o principal parceiro comercial da Argentina, mas o relacionamento entre os dois países ficou tenso após a vitória nas eleições do último país do peronista Alberto Fernández, com quem o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, tem profundas diferenças ideológicas.

 No entanto, em seu discurso de posse, Fernández apelou à “irmandade” com o Brasil e expressou sua disposição de deixar de lado a “diferença pessoal” com o presidente brasileiro.

 Os chanceleres concordaram com a necessidade de dar importância à participação dos setores privados nas negociações comerciais entre os dois países e de fortalecer o Mercosul – um bloco comercial formado pela Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai – como um espaço que deve permanecer primordial.

 Nesse sentido, o brasileiro afirmou que seu país estava disposto a aprovar o acordo de livre comércio assinado em junho entre o Mercosul, a União Européia, que ainda não entrou em vigor desde que seja ratificado nos parlamentos dos países membros.

 Por seu lado, Solá vinculou esse ponto ao impacto sobre a indústria argentina e à opinião de empregadores e trabalhadores.

 Da mesma forma, os dois ministros decidiram discutir os descontos para o setor da Tarifa Externa Comum do Mercosul (AEC) por setor, em consulta com os possíveis afetados.

Também participaram da conversa o secretário de Política Externa da Argentina, Pablo Tettamanti,  o chefe do Ministério das Relações Exteriores, Guillermo Chaves e o futuro embaixador argentino no Brasil, Daniel Scioli.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS