Bolsonaro liga Qasem Soleimani ao ataque de 1994 à associação judaica na Argentina

Em 17 de março de 1992, o ataque à embaixada foi feito através de carro carregado de explosivos. Foi um ataque suicida, segundo o jornal Deutsch Welle (DW)
Por Debora Alatriste, Epoch Times
05 de Enero de 2020 11:19 AM Actualizado: 05 de Enero de 2020 11:19 AM

Presidente Jair Bolsonaro disse que o general iraniano Qasem Soleimani estava envolvido no ataque ao centro comunitário judeu na Argentina em 1994, que deixou 85 mortos e mais de 300 feridos.

O presidente brasileiro disse em 3 de janeiro, em entrevista ao programa “Brasil Urgente”, que Qasem Soleimani estava envolvido no ataque mortal à Associação Mutual Israelita (AMIA), centro da comunidade judaica localizada na Argentina. A explosão ocorreu em 18 de julho de 1994 às 9:53 e destruiu os sete andares do edifício, além de afetar os edifícios próximos.

“De acordo com o que temos constatado da vida anterior dessa autoridade iraniana que morreu ontem, segundo informações aqui, uma pessoa envolvida em ataques contra a entidade judaica que existia na Argentina, que deixou 85 mortos em 1994”, disse Bolsonaro em uma entrevista.

Leia também:
Trump diz que ordenou morte de general para parar guerra, não começar uma

“Então sua vida anterior [de Soleimani] foi amplamente dedicada ao terrorismo e aqui no Brasil, nossa posição é bastante simples. Tudo o que pudermos fazer para combater o terrorismo, nós faremos”, acrescentou Bolsonaro.

Ele também expressou qual é a posição do Brasil em relação à morte de Soleimani.

“Nossa posição é nos aliarmos a qualquer país do mundo na luta contra o terrorismo. Sabemos o que o Irã representa para seus vizinhos e para o mundo”, afirmou.

Bolsonaro ressaltou que o terrorismo “não pode ser considerado um problema exclusivo do Oriente Médio e dos países desenvolvidos” e, a esse respeito, afirmou que “o Brasil não pode permanecer indiferente a essa ameaça, que afeta até a América do Sul”.

“O Brasil acompanha de perto o desenrolar das ações no Iraque, incluindo seu impacto nos preços do petróleo, e mais uma vez apela à unidade de todas as nações contra o terrorismo em todas as suas formas”, afirmou.

A principal preocupação do Brasil em relação a esse conflito é que aconteça um forte aumento nos preços internacionais do petróleo, no momento em que o país sul-americano se recupera economicamente de maneira muito lenta e gradual.

A esse respeito, Bolsonaro disse em declarações à imprensa na sexta-feira que o governo tomará medidas caso a crescente tensão no Oriente Médio continue, embora sem interferir na política de preços da companhia estatal de petróleo Petrobras.

O jornal The New York Times também observou em reportagem recente que Qasem Soleimani estava ligado ao ataque à Embaixada de Israel na Argentina nos anos 90.

Em 17 de março de 1992, o ataque à embaixada foi feito através de carro carregado de explosivos. Foi um ataque suicida, segundo o jornal Deutsch Welle (DW).

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.