Brics reiteram necessidade urgente de reforma do FMI e da ONU

Por EFE
14 de Noviembre de 2019 5:00 PM Actualizado: 14 de Noviembre de 2019 5:00 PM

Brasília, 14 nov (EFE).- Os Brics, grupo que está reunido em Brasília, reiteraram nesta quinta-feira, em uma declaração conjunta, a necessidade urgente de reformar e fortalecer as Nações Unidas e o Fundo Monetário Internacional (FMI) e pediram para os Estados Unidos evitarem medidas protecionistas.

Os presidentes de Brasil, Jair Bolsonaro; Rússia, Vladimir Putin; China, Xi Jinping; e África do Sul, Cyril Ramaphosa, além do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, assinaram o documento nesta quinta na capital federal.

Nele, os cinco líderes destacaram o compromisso de tornar as organizações internacionais mais inclusivas, democráticas e representativas, através de uma maior participação dos mercados emergentes e dos países em desenvolvimento na tomada de decisões internacionais.

Nesse sentido, os Brics enfatizaram a necessidade de uma reforma integral da ONU, incluindo o Conselho de Segurança, com vistas a torná-la um órgão mais representativo e, segundo os países, “capaz de responder aos desafios globais”.

“China e Rússia reiteram a importância que atribuem ao status e ao papel de Brasil, Índia e África do Sul nas relações internacionais e apoiam suas aspirações de desempenhar papéis mais relevantes na ONU”, diz o documento.

O grupo das cinco maiores economias emergentes do mundo também quer que o FMI comece a trabalhar “seriamente e num curto espaço de tempo” na reforma da estrutura de quotas.

Sobre a Organização Mundial do Comércio (OMC), os Brics querem que a entidade zele para trocas baseadas “em regras, transparentes, não discriminatórias, abertas, livres e inclusivas” e mandaram um recado aos Estados Unidos.

“É essencial que todos os membros da OMC evitem medidas unilaterais e protecionistas, que são contrárias ao espírito e às regras da OMC”, destaca a nota.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.