Doria diz que Brasil não pode dar as costas para a Argentina

Por Noticia de agencia
13 de Agosto de 2019
Actualizado: 13 de Agosto de 2019

Após os resultados ruins do presidente Maurício Macri nas eleições primárias da Argentina no último domingo, o governador do estado de São Paulo, João Doria Junior, afirmou nesta terça-feira que o Brasil não pode se distanciar do país vizinho independentemente dos resultados das eleições presidenciais de outubro.

“Não podemos dar as costas para a Argentina. É preciso tratar o resultado com respeito, seja qual for. Não podemos fazer uma avaliação ideológica. Tenho relações pessoais com Macri, que me recebeu na Casa Rosada, e com o prefeito de Buenos Aires, Horacio (Rodríguez Larreta)”, afirmou Doria em um encontro com jornalistas estrangeiros em São Paulo, do qual a Agência Efe participou.

Doria destacou que a Argentina está entre os quatro principais parceiros do Brasil e do estado de São Paulo e aposta no aumento da cooperação bilateral. “Não podemos dar as costas à Argentina. Temos que continuar juntos e aprofundar a nossa relação comercial”, disse.

O governador evitou apoiar explicitamente a Macri, ao contrário do que foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro, que nesta segunda advertiu que um eventual triunfo do candidato peronista Alberto Fernández poderia provocar um êxodo de argentinos, parecido com o que ocorre na Venezuela.

Além disso, Doria comentou que ainda é cedo para saber os possíveis efeitos das eleições argentinas sobre o acordo de livre-comércio obtido entre a União Europeia e Mercosul.

“As eleições sequer foram realizadas. Eu mesmo, pela minha experiência, surpreendi nas pesquisas, sobretudo quando venci a Prefeitura de São Paulo. Ninguém esperava, eu comecei as pesquisas em sexto lugar”, lembrou.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS