Entrevista com Steve Bannon: controvérsia da NBA, protestos de Hong Kong e negociação com a China

Por SIMONE GAO
14 de Octubre de 2019 Actualizado: 15 de Octubre de 2019

Quando o vice-primeiro-ministro chinês Liu He e sua delegação chegaram na sexta-feira passada, eles foram recebidos por uma nova lista negra composta por 28 organizações chinesas relacionadas a violações dos direitos humanos em Xinjiang. Após a lista negra, restrições de visto foram impostas às autoridades chinesas envolvidas pelo mesmo motivo. Tudo isso aconteceu depois que a diretora executiva de Hong Kong, Carrie Lam, invocou poderes de emergência que receberam forte resistência dos manifestantes de Hong Kong.

Além da guerra comercial, estariam os Estados Unidos e a China a caminho de uma batalha no mercado de capitais e uma guerra tecnológica? Estariam a primeira e a segunda economias do mundo caminhando para uma separação inevitável? Simone Gao, apresentadora do programa “Zooming In” transmitido na NTD – emissora de televisão associada ao Epoch Times – entrevistou o ex-estrategista da Casa Branca Steve Bannon sobre essas questões.

Esta entrevista foi editada para maior clareza e brevidade.

Simone Gao: Muito obrigado, Sr. Bannon, por estar conosco novamente.

Steve Bannon: Obrigado por vir à embaixada Breitbart para conversar.

Gao: Bom. Sobre o episódio da NBA [National Basketball Association]: Daryl Morey, gerente geral do Houston Rockets, postou um tweet apoiando Hong Kong e todos os tipos de empresas e organizações chinesas cortaram laços com a equipe, incluindo a suspensão da transmissão ao vivo dos jogos do Houston Rockets. E então Morey pediu desculpas. Portanto, a pergunta é: como você acha que as empresas americanas podem suportar esse tipo de pressão?

Bannon: Isso é um absurdo. Ou seja, o que Morey fez foi um apoio básico aos manifestantes de Hong Kong no direito de terem um Estado de direito. E não eram apenas as empresas chinesas. Ou seja, vimos a NBA, vimos o proprietário. O proprietário foi um covarde. Ele deveria ser um capitalista. Ele foi um covarde total. Eles se ajoelharam. A NBA deveria ter uma consciência social. Ou seja, eles são muito sensíveis aos direitos de todos os outros.

Gao: Exatamente.

Bannon: Eles têm muita consciência social. De todas as indústrias esportivas dos Estados Unidos, ele tem a maior consciência social e o que eles fizeram foi humilhante. E acho que haverá sérias conseqüências.

Isso é escandaloso. Acho que isso mostra o povo da China, da China continental e de Hong Kong, a covardia moral das empresas nos Estados Unidos. Eles se ajoelharam completamente diante do PCC [Partido Comunista Chinês]. Ou seja, foi vergonhoso o que eles fizeram. E finalmente eles fizeram Morey basicamente apagar o tweet e o fizeram engatinhar. Isto é, para o povo da China e de Hong Kong … você realmente vê o que os combatentes da liberdade enfrentam.

Gao: Depois que a diretora executiva de Hong Kong, Carrie Lam, invocou os poderes de emergência, a primeira coisa que ela fez foi aprovar a lei anti-máscara. E especula-se que a razão pela qual eles fizeram isso é porque os países ocidentais têm uma lei semelhante. Portanto, se o governo de Hong Kong fizer o mesmo, os países ocidentais não poderão culpar o governo de Hong Kong por fazer o mesmo contra os manifestantes. Faz sentido?

Bannon: Eu acho que não faz nenhum sentido. Ou seja, o que Carrie Lam fez é um desastre completo. Certo? O que eles fizeram quando voltaram à lei colonial e a impuseram, o que eles estão tentando fazer é uma lei marcial insidiosa. Não tem nada a ver com o que os países ocidentais têm. Tudo o que eles estão tentando fazer é tentar introduzir a lei marcial sob a superfície, para que eles possam realmente ter uma lei marcial de fato e não precisem declará-la para que as pessoas no Ocidente não se sentem e digam: o PCC não pode controlar Hong Kong. Eles têm que declarar lei marcial. Isso é escandaloso. O que eu quero que os manifestantes digam é: “Ei, vamos pensar em não usar máscaras quando você pensar em não usar gás lacrimogêneo contra nós”.

Eu acho que os manifestantes devem continuar fazendo o que estão fazendo, que é desafiar Carrie Lam e todo o seu regime.

Gao: Todos no Capitólio dizem que é quase certo que a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong será aprovada em breve.

Bannon: Bem, olhe, é uma esperança. Há muito esforço. Escute, há um grande esforço para aprová-la, mas eu não consideraria isso uma conclusão inevitável. Foi votada na comissão. Lembre-se, neste momento a Câmara dos Deputados está completamente presa nessa tempestade de miséria. Certo? Portanto, nem mesmo o novo NAFTA, o T-MEC, que é fundamental para o crescimento econômico dos Estados Unidos [foi submetido à votação].

Então, temos que fazê-lo passar pela Câmara. Temos que tê-lo aprovado pelo Senado. No momento, ele foi basicamente votado na comissão e estou muito empolgado com isso, mas teremos que ver o que acontece. No momento, qualquer coisa em Washington DC é altamente politizada em torno da questão do impeachment.

Gao: Qual poderia ser o possível obstáculo do Senado?

Bannon: Wall Street e corporações. Acabamos de ver o que a NBA fez. Lembre-se de que a NBA é uma das entidades ocidentais de maior sucesso que entrou na China. 500 milhões de pessoas, cidadãos chineses, assistiram aos jogos da NBA. O Houston Rockets e outros são um fenômeno na China.

E veja qual foi sua resposta: ajoelhar-se imediatamente. Vamos nos ajoelhar diante do PCC.

Como cidadão dos Estados Unidos, foi vergonhoso e humilhante ver o que eles o fizeram fazer. Portanto, não, nem pense por um segundo que o Senado dos Estados Unidos não será Wall Street, corporações, todo mundo vindo e dizendo: “Ei, isso vai prejudicar Hong Kong financeiramente. Isso prejudicará as empresas”.

Então, nós não sabemos. Eu acho que agora estamos gradualmente vendo com Carrie Lam, o começo real da aplicação da lei marcial. Teremos que ver se o mundo está preparado para apoiar isso. É por isso que a lei de Hong Kong é tão importante no Congresso dos Estados Unidos. Os Estados Unidos estão realmente assumindo a liderança. E há pessoas como Marco Rubio e Nancy Pelosi e pessoas na Câmara dos Deputados que dizem: “Ei, temos que tomar uma posição formal contra isso”. E acho que isso só mobilizará mais e mais pessoas ao redor do mundo para assistir isso. Então, acho que o povo de Hong Kong deve saber que tem muitos, muitos aliados no exterior. A questão é: o que é necessário para levar todos a uma ação concertada? E acho que terá que haver um aviso. Acho que se houver algo como um [Massacre da] Praça Tiananmen em Hong Kong, será o fim do PCC. Não acho que o mundo esteja preparado para tolerar isso. E, fundamentalmente, acho que, vendo essa crescente conscientização em todo o mundo e o foco em Hong Kong, o PCC chegará a entender.

Gao: Vamos falar um pouco sobre o presidente Donald Trump. Você acha que Trump é a favor da separação das duas economias, a americana e a chinesa?

Bannon: Não, de maneira alguma. Eu acho que o presidente Trump é exatamente o oposto. Penso que o objetivo dele é reestruturar o PCC, reestruturar a economia chinesa nessas sete verticais profundas e realmente ter outro relacionamento, mas que funcione para todos. Você sabe, se chegarmos a esse ponto, será uma grande vitória para a classe trabalhadora e a classe média chinesa.

Existem outros como eu e outros – eles me chamaram de tudo, de falcão a super falcão, certo?

[Eu acho] que o PCC nunca fará isso [promulgar as reformas que os Estados Unidos desejam], porque isso faria com que ele abrisse mão de seu controle. Portanto, temos que começar a pensar em uma dissociação dessas duas economias e, na dissociação, a economia chinesa sob o PCC entrará em colapso. Se o PCC não possui o financiamento do Ocidente, não possui a tecnologia do Ocidente, não tem acesso aos mercados do Ocidente, ele não pode sobreviver. A matemática é bastante simples com relação a isso. E é por isso que sou defensor, como um super falcão, ao dizer que já chega.

E o presidente Trump, embora tenha sido muito difícil – essa [questão da China] tem sido sua principal prioridade – com todo o esforço que ele [fez], esses caras [os negociadores chineses] continuarão tentando fazer seus truques. E você verá que eles não são sérios. E a razão pela qual eles não são sérios é porque, afinal, eles querem ter um controle rígido. Porque eles são um regime totalitário. Eles não estão abertos ao que seus cidadãos têm a dizer, porque os cidadãos não têm direitos e não possuem nenhuma propriedade. Então, acho que estamos chegando ao desengajamento e acho que o desengajamento acabará quebrando o PCC. E esse será o caminho e a jornada que o povo chinês irá adotar em busca de sua liberdade.

TE RECOMENDAMOS