Equador detém venezuelanos que teriam informações sobre itinerários de Moreno

Por EFE
10 de Octubre de 2019 9:31 PM Actualizado: 10 de Octubre de 2019 9:31 PM

Quito, 10 out (EFE)- A Polícia Nacional do Equador prendeu 17 pessoas, a maior parte delas venezuelanas, que teriam informações sobre os itinerários do presidente do país, Lenín Moreno, e do vice-presidente, Otto Sonnenholzner.

“Dezessete detidos no aeroporto de Quito nesta manhã. A maioria deles venezuelanos. Sob seu poder, informações sobre a movimentação do presidente e do vice-presidente”, escreveu no Twitter a ministra de Governo do Equador, María Paula Romo.

A ministra incluiu na mensagem uma foto com os presos ajoelhados, com as mãos contra a parede e cercados por policiais fortemente armados. Agora, segundo Romo, eles ficarão à disposição da Justiça.

“Cada novo evento confirma todos os interesses que estão por trás do caos no nosso país. Enfrentamos isso com a força da lei, com a defesa da democracia e sem subestimar o que está em jogo”, completou a ministra.

As prisões ocorrem em um momento de tensão no país devido aos protestos contra o governo pelo fim do subsídio estatal para compra de combustíveis, medida que faz parte de um acordo de crédito firmado por Moreno com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Até o momento, 824 pessoas foram presas pela onda de violência decorrente das manifestações registradas em todo o país há uma semana.

Moreno acusa seu antecessor no cargo e ex-aliado, Rafael Correa, de estar por trás de um movimento para desestabilizar o país com o apoio do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Ambos negam as acusações do governo do Equador.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.