Ex-ministro acusa Evo Morales de causar incêndios na Amazônia e autorizar cultivo ilegal de coca

Em 13 anos de governo, Evo Morales aprovou pelo menos quatro leis, além de decretos e modificações de regulamentos técnicos, que impactam diretamente as florestas e terras do território boliviano
Por Jesús de León, La Gran Época
27 de Agosto de 2019 Actualizado: 27 de Agosto de 2019

Os incêndios florestais que devastaram mais de um milhão de hectares da Amazônia na Bolívia, e que ainda estão fora de controle, foram supostamente causados pelo presidente Evo Morales ao autorizar queimadas para expandir as plantações ilegais de coca, segundo um ex-ministro boliviano.

Carlos Sánchez Berzain, que serviu cinco vezes como ministro na Bolívia e agora dirige o Instituto Interamericano para a Democracia, denunciou em artigo publicado no Infobae o presidente socialista boliviano pelo que ele considera como um verdadeiro “ecocídio”, com consequências globais que ele podia e devia ter sido evitado:

“Foi provocado e executado ‘legalmente’ por Evo Morales, que promoveu e autorizou a ‘limpeza e queima’ com a finalidade de expandir as plantações ilegais de coca, executar migrações internas para mudar o mapa sócio-político do país e dar benefícios aos grupos econômicos do seu regime “.

Segundo Berzain, que também é advogado e cientista político, o Ecocídio realizado por Evo implica a destruição do meio ambiente “de maneira especialmente intencional”.

“Foi uma ação de matar o ecossistema com todos os seus componentes vivos, exatamente como acontece com a devastação causada por incêndios florestais na Bolívia, com o agravante de que Morales não deseja pedir ajuda internacional para controlá-los e rejeita a ajuda que oferecem, como fez com a oferta do presidente Piñera do Chile”, denunciou.

Ele também destacou que há 30 anos Evo promove e defende a implantação e expansão de plantações ilegais de coca como matéria-prima para o tráfico de cocaína e drogas e, dessa forma, sempre destrói o meio ambiente.

Bombeiro trabalha durante um incêndio florestal perto de Robore, região de Santa Cruz, leste da Bolívia, em 22 de agosto de 2019 (STR / AFP / Getty Images)
Bombeiro trabalha durante um incêndio florestal perto de Robore, região de Santa Cruz, leste da Bolívia, em 22 de agosto de 2019 (STR / AFP / Getty Images)

Segundo Sánchez Berzain, o Ecocídio de Evo Morales e seu regime é comprovado por suas ações concretas, mediante a aprovação e aplicação de diferentes leis e políticas.

Em 29 de setembro de 2015, por exemplo, Evo Morales assinou a Lei 741 que “autoriza a derrubada de até 20 hectares (…) para o desenvolvimento de atividades agropecuárias”.

A isto se acrescenta a assinatura em 10 de julho de 2019 do Decreto Supremo 3.973, que determina que “nos departamentos de Santa Cruz e Beni, está autorizada a liberação de atividades agropecuárias em terras privadas e comunitárias (…). Nos dois departamentos, a queimada controlada é permitida.”

Além disso, em 25 de agosto de 2017, o vice-presidente de Morales repudiou a proteção do ecossistema, afirmando que “as áreas protegidas foram demarcadas pelos gringos para manter nossos recursos naturais para o dia em que dominarão o país”.

Bombeiros caminham por um campo queimado enquanto combatem um incêndio em Robore, no leste da Bolívia, em 23 de agosto de 2019 (STR / AFP / Getty Images)
Bombeiros caminham por um campo queimado enquanto combatem um incêndio em Robore, no leste da Bolívia, em 23 de agosto de 2019 (STR / AFP / Getty Images)

Então, em 16 de julho de 2019, o vice-ministro de Substâncias Controladas, em seu relatório oficial, “admitiu que há derrubada e queima de árvores para expandir o cultivo ilegal de coca na reserva TIPNIS”, denunciou o diretor do IID.

A política do regime socialista de Evo levou à situação de que as áreas dedicadas ao cultivo de coca ilegal na Bolívia aumentassem de 3.000 hectares em 2003 para mais de 80.000 hectares que existem hoje, disse Sanchez Berzain.

Soldado em uma área de cultivo de coca na região central boliviana de Chapare, em Chimore, em 18 de janeiro de 2019 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)
Soldado em uma área de cultivo de coca na região central boliviana de Chapare, em Chimore, em 18 de janeiro de 2019 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)

No mesmo sentido em que o ex-ministro, também se pronunciou Irma Arguello, presidente do centro de estudos NPSGlobal, que compartilhou no Twitter a denúncia sobre o Ecocídio com finalidades de expansão da coca ilegal.

“A Bolívia queima porque há intenção de desmatar para espalhar as plantações de coca! Para que a queima intencional seja legal, Evo Morales emitiu o Decreto Supremo 3.973 em 9 de julho! Na Bolívia, há três vezes mais incêndios por unidade de área do que no Brasil”, escreveu ele.

Pelo menos 4 leis contra florestas

A imprensa nacional também tem denunciado a prática do governo de Evo de destruir florestas.

Produtores de coca carregam caminhão com folhas de coca no mercado de La Paz em 23 de agosto de 2018 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)
Produtores de coca carregam caminhão com folhas de coca no mercado de La Paz em 23 de agosto de 2018 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)

Em 13 anos de governo, Evo Morales aprovou pelo menos quatro leis, além de decretos e modificações de regulamentos técnicos, que impactam diretamente as florestas e terras do território nacional, informou Página Siete.

Como resultado, a Autoridade de Fiscalização e Controle Social das Florestas e Terras (ABT) observou em um relatório que “a partir de 2015, o desmatamento aumentou 200% devido à Lei 337 e à flexibilização do sistema de aprovação (dos planos de desmonte)”, citou este meio.

Homem observa incêndio florestal perto de Robore, Santa Cruz, Bolívia, em 24 de agosto de 2019 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)
Homem observa incêndio florestal perto de Robore, Santa Cruz, Bolívia, em 24 de agosto de 2019 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)

Quanto à Lei 741 de 2015 mencionada acima por Sánchez Berzain, ela resultou nas “queimadas legais” que aumentaram sem controle.

“Em 2017, mais de 228 mil hectares foram desmatados, enquanto no ano passado atingiu-se a marca de 259 mil hectares desmatados”.

Aumento da coca ilegal

No início de agosto, os Estados Unidos descertificaram a Bolívia por ter “demonstrado” violar suas obrigações em relação aos compromissos internacionais antidrogas nos últimos 12 meses.

Membros da Força Especial de Combate ao Narcotráfico (FELCN) da Bolívia guardam 582 kg de cloridrato de cocaína, apreendidos em uma fazenda - onde supostamente iria ser refinada - na cidade de Guayaramerín, em 17 de abril de 2018 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)
Membros da Força Especial de Combate ao Narcotráfico (FELCN) da Bolívia guardam 582 kg de cloridrato de cocaína, apreendidos em uma fazenda – onde supostamente iria ser refinada – na cidade de Guayaramerín, em 17 de abril de 2018 (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)

Na semana passada, Thierry Rostán, representante do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês), brindou com seu relatório anual o Ministério das Relações Exteriores, ato do qual o próprio presidente boliviano participou.

Segundo o funcionário, entre 28% e 42% da folha de coca na Bolívia é comercializada em mercados não autorizados e “para outros fins”, o que equivale a uma quantidade entre 9.222 e 17.422 toneladas de coca, segundo o El Deber.

Representante na Bolívia do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), Thierry Rostan, fala sobre o processo de incineração e destruição de drogas ilegais apreendidas na Bolívia em 2019, em 14 de agosto de 2019 em La Paz (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)
Representante na Bolívia do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), Thierry Rostan, fala sobre o processo de incineração e destruição de drogas ilegais apreendidas na Bolívia em 2019, em 14 de agosto de 2019 em La Paz (AIZAR RALDES / AFP / Getty Images)

Desde junho, sabe-se que os plantadores de coca associados ao governo abriram mercados paralelos de coca em diferentes partes de La Paz, e o chefe da Associação Departamental de Produtores de Coca (Adepcoca) Gerardo Ríos lembrou que foi o próprio governo que incentivou a abertura de um mercado ilegal de coca em La Paz.

Sociedade boliviana denuncia Evo

A igreja, a sociedade civil e os legisladores bolivianos responsabilizam Evo diretamente pelos incêndios.

No domingo, pessoas foram às ruas em diferentes cidades da Bolívia com a mesma queixa.

“Nem soja, nem coca, na floresta não se toca”, era o refrão gritado pelos cidadãos em Cochabamba durante a manifestação que realizaram no domingo contra os incêndios.

A Igreja Católica qualificou como “irresponsável” a promulgação do Decreto Supremo 3.973 em 10 de julho de 2019.

“Com muita tristeza e dor, vemos uma vez mais como nossa casa comum é mortalmente ferida por incêndios florestais na Chiquitânia e no Chaco, com enormes danos à saúde humana e ao modo de vida das comunidades indígenas, à biodiversidade e aos serviços ambientais”, disse em uma carta o arcebispo de Santa Cruz, monsenhor Sergio Gualberti, segundo Eju.tv.

TE RECOMENDAMOS