Impeachment não ajudará os democratas a encobrir o maior escândalo político da história dos EUA

Por Jason Meister
12 de Diciembre de 2019
Actualizado: 12 de Diciembre de 2019

Os democratas esperam que suas audiências de impeachment dominem o ciclo de notícias desta semana e possam desviar a atenção das devastadoras revelações contidas no relatório do Inspetor-Geral (IG) do Departamento de Justiça dos EUA, Michael Horowitz, sobre as origens da investigação na Rússia.

O relatório do IG, publicado em 9 de dezembro, nos mostra por que eles estão tão desesperados tentando desviar a atenção.

Por dois anos, os democratas negaram que o dossiê ou processo Steele, que foi exaustivamente desacreditado em várias ocasiões – e pago por Hillary Clinton e pelo Comitê Nacional Democrata (DNC) – tivesse um papel importante em qualquer investigação. Em 2017, o diretor da CIA no governo do presidente Barack Obama, John Brennan, negou enfaticamente que o dossiê tivesse desempenhado algum papel na avaliação da Comunidade de Inteligência (ICA, nan sigla em inglês) e que, durante três anos, promoveu a teoria da colusão “Russiagate”.

Leia também:
Trump rotula como ‘piada’ relatório para possível impeachment

No relatório do IG, descobrimos que ambos eram mentira. O Dossiê Steele desempenhou um papel “central e essencial” na solicitação ou petição da Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA) para intervir no telefone de Carter Page, assistente de Trump. O FBI não poderia ter obtido a autorização de vigilância do Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISC) sem o arquivo. Como o relatório do IG diz: “Imediatamente após a equipe do Crossfire Hurricane receber o relatório das eleições de Steele em 19 de setembro, a equipe retomou seus esforços para obter o serviço de vigilância da FISA para Page”.

Aparentemente, o FBI também sabia dos vínculos do arquivo com a campanha de Hillary Clinton. “O agente de gerenciamento de Steele nos disse que, quando Steele forneceu os primeiros relatórios eleitorais em julho de 2016 e descreveu seu compromisso com a Fusion GPS, era óbvio para ele que o pedido de investigação era politicamente motivado”, escreveu Horowitz.

No entanto, esqueceram de mencionar as origens políticas do dossiê e a falta de confiabilidade em sua aplicação na FISA. A equipe do FBI não cumpriu o requisito da política do FBI de garantir que todas as declarações de fato em uma petição da FISA sejam “escrupulosamente precisas”, afirma o relatório do IG.

“Identificamos pelo menos 17 erros ou omissões significativas nos pedidos da FISA a Carter Page”, disse Horowitz, descrevendo-os como “falhas graves de desempenho por agentes supervisores e não supervisores, responsáveis por solicitações da FISA”.

A mesma falha está presente na ICA. O relatório do IG constatou que o “FBI, incluindo Comey e McCabe, procurou incluir o dossiê [Steele] na ACI”, apesar de saberem de onde veio.

A multidão anti-Trump no Capitólio e a mídia não queriam que este relatório do IG fosse preparado. Eles estão trabalhando para minar sua legitimidade desde que souberam que a investigação já estava concluída. O Washington Post, por exemplo, tentou insinuar uma operação de encobrimento baseada em esforços para evitar vazamentos.

Olhando para o relatório final do IG, podemos ver exatamente por que eles tentaram desacreditá-lo preventivamente.

As mesmas pessoas que impulsionam o impeachment aproveitaram a determinação de Horowitz de que o FBI tem um “propósito autorizado” para iniciar sua investigação sobre Page e outros. O FBI tem autonomia e autorização extraordinariamente amplas para investigar; portanto, seria realmente incrível para um inspetor geral descobrir que o FBI havia violado a lei ao abrir uma investigação. O próprio relatório refere-se ao “baixo limiar de pregação” nos regulamentos relevantes do DOJ.

Enquanto isso, Bruce Ohr, oficial do DOJ, que não informou seus supervisores sobre seus contatos com Steele e a Fusion GPS, está sendo encaminhado ao Departamento de Responsabilidade Profissional do DOJ.

O relatório Horowitz é apenas um aperitivo. Os próximos resultados da investigação do promotor John Durham serão ainda mais esclarecedores. De fato, Durham indicou que está disposto a ir muito além do que Horowitz fez em relação à legalidade da investigação do FBI.

Os democratas esperam que seu circo do impeachment impeça o público de prestar atenção nas bombas reais. Como todos já sabem, o impeachment morrerá no Senado. No entanto, as investigações sobre o abuso sistemático do poder do governo anterior contra a campanha de Trump e os esforços subsequentes para destruir sua presidência estão apenas começando.

Jason D. Meister é membro do conselho consultivo da Donald J. Trump for President Inc. e diretor executivo da Ackman-Ziff

TE RECOMENDAMOS