Irã adverte que morte de Baghdadi não representa fim do Estado Islâmico

O extremista era considerado o terrorista número 1 do mundo e estava na mira dos EUA desde 2014, quando proclamou um califado em amplas zonas da Síria e do Iraque
28 de Octubre de 2019
Actualizado: 28 de Octubre de 2019

Por EFE

O Irã advertiu nesta segunda-feira (28) que a morte do líder do Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, não representa o fim do grupo jihadista, que segundo o governo iraniano tem raízes no dinheiro originário da exportação de petróleo e nas políticas militares dos Estados Unidos no Oriente Médio.

“Assim como a morte do (fundador da Al-Qaeda, Osama) Bin Laden não erradicou as raízes do terror, a morte de Baghdadi não será o fim do EI”, disse o porta-voz governamental, Ali Rabiei.

Horas após o anúncio dos EUA de que Baghdadi havia morrido em uma operação militar americana na Síria, o representante do governo iraniano disse em mensagem no Twitter que “os alicerces do EI não serão destruídos com bombas e mísseis enquanto existirem os petrodólares regionais e a ideologia extremista sunita”.

Rabiei criticou as monarquias árabes sunitas do golfo Pérsico, especialmente a Arábia Saudita, a qual responsabiliza de financiar grupos extremistas graças ao dinheiro do petróleo.

O governo iraniano também acusou os EUA de favorecerem o terrorismo no Oriente Médio e no norte da África com as “políticas militares” e o “apoio ao despotismo”.

Baghdadi detonou explosivos que carregava em um túnel quando foi cercado em Barisha, na província síria de Idlib, explicou o presidente americano, Donald Trump.

Foi Trump quem anunciou a morte de Baghdadi no domingo. O extremista era considerado o terrorista número 1 do mundo e estava na mira dos EUA desde 2014, quando proclamou um califado em amplas zonas da Síria e do Iraque.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS