Lava Jato: Toffoli defende anular todas as condenações com delatores

Decisão da corte encaminha anulação de condenações da Lava Jato
Por Michael Caceres, Gospel Prime
03 de Octubre de 2019 3:48 PM Actualizado: 03 de Octubre de 2019 3:48 PM

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, afirmou que a tese inventada pela Corte, que anulou a sentença do ex-gerente da Petrobras, Márcio de Almeida Ferreira, deve ser levada em conta para todos os casos nos quais estabeleceu-se acordos de delação premiada.

“Estou convencido de que há constrangimento ilegal, porque as garantias constitucionais da ampla defesa foram prejudicadas”, disse. “Ao réu deve ser dada a última palavra contra a acusação feita pelo Estado com a ajuda do colaborador”, continuou.

Apesar de o delator não fazer parte da acusação, o entendimento do ministro é contrário, colocando já que o delator estaria colaborando com o Estado. “Ele (delator) renuncia a ficar calado e passa a ter o dever de dizer a verdade. Ele está colaborando com o Estado. Logo não é possível entendê-lo na mesma posição que o réu delatado”, justificou Toffoli.

Com um placar de 7 a 4 a favor da nova tese inventada pela Segunda Turma do Supremo, o Plenário encaminhou uma decisão que anulará condenações da Lava Jato e beneficiará inclusive o crime organizado e as facções criminosas.

A defesa de Almeida Ferreira questionava a ordem das alegações finais na primeira instância. Em seu julgamento, o então juiz federal Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro, determinou prazos coincidentes tanto para o réu quanto para os delatores de seu processo.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.