Mãe morre após o parto, médico retira útero e não percebe

Por ANASTASIA GUBIN
22 de Octubre de 2019
Actualizado: 25 de Octubre de 2019

Uma jovem mulher russa de 22 anos sangrou após o parto e horas depois morreu de complicações. Um comitê de investigação concluiu a análise forense da morte e acusou o médico de arrancar o útero pensando que ela estava puxando a placenta.

Alisa Tepikina (foto), moradora de Neshdi Siereg, na região de Sverdlovsk, Rússia, deu à luz um bebê saudável em fevereiro de 2019. Tudo parecia bem, mas após o nascimento o ginecologista-obstetra puxou a placenta com muita força sem perceber que ela estava ligada ao útero, informou Cosmo em 16 de outubro.

Leia também:

Os outros pacientes que estavam naquele momento no hospital alegam ter ouvido Alisa gritar de todos os andares, acrescenta o relatório.

A mulher entrou em coma e morreu dois dias depois, sem poder abraçar seu bebê. Seus parentes imediatamente insistiram que a morte foi causada por culpa dos médicos, informou Ural Meridian. Em vez disso, o ginecologista-obstetra se declarou inocente.


Um bebê recém-nascido. Imagem ilustrativa (Bruno Glätsch / Pixabay)

“Ela erroneamente confundiu o útero com sinais de separação da placenta e continuou puxando, ou seja, ela puxou o útero com a placenta”, disse o advogado Vadim Korotaev, que representa o lado da vítima, de acordo com Cosmo.

Ele também observa que o relatório dos especialistas indicou que vários erros foram adicionados à morte. Um deles “a inação do ginecologista-obstetra que deu à luz o bebê”, que não sabia o que estava acontecendo e “as táticas de tratamento fundamentalmente incorretas agravaram a situação, causaram o desenvolvimento de maciça perda obstétrica de sangue, choque irreversível de gênese complexa, parada cardíaca e morte da paciente”.

O exame forense mostrou que a mãe tinha a placenta presa ao útero, uma anormalidade detectada durante o parto. Um médico nesses casos deve solicitar anestesia para a paciente e remover a placenta manualmente, sem jogá-la fora, informou Ridus.

“Com um diagnóstico oportuno e tratamento adequado, o prognóstico é favorável”, afirmou o documento. No entanto, o diagnóstico correto foi feito somente após 4 horas e 15 minutos após o ginecologista-obstetra puxar o cordão umbilical e remover o útero.

Leia também:

Quando o útero foi removido, os órgãos próximos também foram afetados. Depois de mais de quatro horas, graças aos esforços do Centro de Medicina de Desastres, que chegou urgentemente ao local, o diagnóstico correto foi feito. Naquele momento, foi prestada ajuda real e tardia, informou o Ural Meridian.

Especialistas explicam que o médico que deu à luz simplesmente não entendeu o que estava acontecendo.

“O médico de plantão não reconheceu a complicação com risco de vida no parto e, conseqüentemente, a assistência médica foi fornecida com um atraso inaceitavelmente grande”.

O Comitê de Investigação apresentou uma acusação ao promotor por “causar morte em decorrência da negligência devido ao desempenho incorreto de funções profissionais”.

O obstetra se declarou inocente. A mãe da mulher que morreu em trabalho de parto diz que não houve desculpas ou arrependimentos, nada, segundo o Ural Meridian.

Alisa deixou um marido e uma filha.

Transformação de uma garota vítima de bullying

 

Transformação de uma garota vítima de bullying

Loretta sofreu com o bullying durante sua infância e adolescência. As marcas foram profundas e destruíram sua autoestima, sua confiança nas pessoas e quase a levaram a uma forte depressão. Mas no fundo ela queria mudar e isso foi possível quando ela conheceu o Falun Dafa e, graças aos ensinamentos dessa prática milenar chinesa, ela recuperou sua luz e floresceu como uma mulher linda por dentro e por fora.

اس پر ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ نے شائع کیا اتوار، 18 اگست، 2019

 

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS