Merkel finaliza visita à China com campanha pelo multilateralismo

Por EFE
07 de Septiembre de 2019
Actualizado: 07 de Septiembre de 2019

Pequim, 7 set (EFE)- A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, encerrou neste sábado a 12ª visita oficial à China com uma conversa com alunos de uma universidade, aos quais garantiu que “hoje, mais do que nunca, devemos pensar e agir de forma multilateral em vez de forma unilateral”.

Depois de se reunir com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, e com o presidente, Xi Jinping, em Pequim, a governante se reuniu com estudantes da Universidade Huazhong de Ciência e Tecnologia, situada na cidade de Wuhan, segundo a página oficial da chancelaria alemã.

“Global em vez de nacional, cosmopolita em vez de isolacionista. Em resumo: juntos em vez de separados”, ressaltou Merkel aos estudantes.

A política alemã dedicou palavras positivas ao desenvolvimento econômico da China nas últimas décadas, lembrando que muitos chineses saíram da pobreza, mas alertou que assim como “o peso econômico da China, a responsabilidade global do país também cresceu”.

Por último, Merkel pediu aos estudantes que continuem o caminho estabelecido pelas autoridades para promover uma maior abertura e reforma.

Durante o sábado, a chanceler também se reuniu com representantes do governo da província de Hubei, cuja capital é Wuhan, e visitou o Hospital da Amizade Sino-Germânica e as instalações da empresa alemã de provisões para automóveis Webasto.

Segundo o extenso artigo dedicado pela agência estatal “Xinhua” ao encontro de sexta-feira entre Merkel e Xi, o chefe de Estado chinês garantiu que o país seguirá promovendo políticas de abertura para garantir que o mercado cresça ainda mais, o que gerará oportunidades tanto para a Alemanha como para o resto do mundo.

Além disso, Merkel ofereceu o país como parceiro para desenvolver as relações entre o governo chinês e a União Europeia.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS