Por favor, podemos parar de chamar todo mundo de ‘fascista’?

Palavras são poderosas. Nós enfraquecemos nossa capacidade de pensar com clareza quando permitimos que elas sejam mal utilizadas
Por Gerry Bowler
30 de Diciembre de 2019
Actualizado: 30 de Diciembre de 2019

Parece que todo mundo é fascista atualmente. Donald Trump é certamente um fascista: os membros do Congresso dizem isso e o acusam de operar campos de concentração; os acadêmicos das universidades da Ivy League expressam isso; e revistas respeitáveis como New Statesman e New York Magazine declaram que isso é verdade. Isso não deve surpreendê-lo, porque o Partido Republicano, diz um artigo do Toronto Star, é uma “instituição fascista”.

Na Grã-Bretanha, lar de ex-líderes fascistas como Margaret Thatcher e David Cameron, os acadêmicos de Oxford comparam o primeiro-ministro Boris Johnson com o líder fascista italiano Benito Mussolini e nos lembram que Hitler gostava de Mussolini, um ponto importante que muitas vezes é esquecido. Em todo o mundo, se acreditarmos em jornalistas, o fascismo parece ter dominado os governos de Israel, Polônia, Hungria, Itália e Brasil, e até a Dinamarca mostra sinais de estar entrando na escuridão.

Para que não pensem que nossa nação é imune ao fenômeno, temos observadores perspicazes para nos corrigir. “Acordem, canadenses, e sintam o cheiro de fascismo no ar”, alerta um blogueiro de Montreal, referindo-se à ameaça representada por Andrew Scheer, enquanto um artigo do Huffington Post, esse oráculo do pensamento sóbrio, acusa Justin Trudeau de manifestar “as marcas” do fascismo”. Um debate online levantou a questão: “Maxime Bernier é racista ou fascista?” enquanto em Hamilton, um velho que usou um andador para chegar a um comício de Bernier, foi chamado de “escória nazista” por um jovem analista político mascarado.

Leia também:
Se Bolsonaro quer um Estado fascista, ele está fazendo tudo errado

Você está cansado de tanto ouvir a palavra “fascista”? Eu também.

As palavras anteriores tinham significados com os quais as pessoas concordavam, mas hoje uma acusação como “racista” tem sido usada tanto que se tornou uma moeda degradada que significa apenas “não concordo com você”. É por isso que você verá que o termo “supremacia branca” está sendo usado com mais frequência agora. Pode-se dizer que o mesmo esvaziamento de conteúdo se aplica ao termo “genocídio”, “holocausto” ou “emergência climática global”.

O fascismo é uma ideologia genuína. Dezenas de milhares de canadenses morreram lutando contra ele em suas manifestações alemãs, japonesas e italianas durante a Segunda Guerra Mundial, portanto cabe a nós saber se ele ainda está vivo e em boas condições hoje. Foi em grande parte obra do veterano de guerra Benito Mussolini que adotou o símbolo romano de “fasces”, um machado no centro de um feixe de varas amarradas e um uniforme com uma camisa preta. Seu lema era “Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado”), a definição perfeita de totalitarismo.

Isso inspirou outro veterano desiludido da Grande Guerra, Adolf Hitler, que ao criar o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (de onde vem a abreviação nazista), imitou muitas das ideias de Mussolini. Se fizéssemos uma lista de crenças fascistas, incluiríamos estes pontos:

• O Culto ao Líder: Hitler como der Fuehrer, Francisco Franco como El Caudillo, Mussolini como Il Duce e Ion Antonescu como Condutor. Ele personifica o estado e a vontade nacional e seus seguidores juram obediência.

• O uso da violência paramilitar uniformizada. Stürmabteilung com camisa marrom na Alemanha, esquadristas com camisa preta na Itália, a Guarda de Ferro romana com camisa verde.

• Controle da economia nacional, tanto do capital como do trabalho, por parte do Estado que dirige seus propósitos e permite a propriedade privada.

• Movimentos antidemocráticos e anti-parlamentares. A casca do governo constitucional pode permanecer, mas a verdadeira oposição política não é permitida. Encarceramento ou assassinato de dissidentes.

• Ultranacionalismo ao ponto do racismo. Uma adoração vinda de alguma idade de ouro do passado, quando a nação havia sido grande.

• Ódio aos fracos. Isso leva à eugenia, eutanásia, esterilização obrigatória e darwinismo social. O cristianismo é ridicularizado como um defensor dos fracos.

• A sociedade civil não é permitida fora do estado e do partido único. Assim, a abolição dos escoteiros e organizações juvenis católicas na Alemanha e sua substituição pelos grupos juvenis de Hitler. Toda arte, teatro, literatura, cinema, publicações e radiodifusão são controladas pelo Estado. Privacidade e liberdade de consciência diminuem bastante.

Deve-se enfatizar que os fascistas não são conservadores – embora os conservadores sejam frequentemente soberanistas e nostálgicos do passado da nação – eles são revolucionários com um apelo especial à juventude. Eles querem derrubar e não conservar. (Há um argumento forte que se pode apresentar, de que o fascismo é uma heresia da esquerda em vez da direita, mas deixarei esse argumento para outra momento.)

Quem são os verdadeiros fascistas de hoje? Procure-os em partidos neonazistas, como o movimento Golden Dawn na Grécia, em milícias supremacistas brancas e em alguns grupos escandinavos neopagãos. Você os verá em multidões com cabeças raspadas anti-imigrantes e nos hilariantes esquadrões de bandidos “antifa” nos Estados Unidos e no Canadá. Você não os encontrará na Casa Branca, na Sussex 24, na Downing 10 ou em Stornoway.

Palavras são poderosas. Nós enfraquecemos nossa capacidade de pensar com clareza quando permitimos que elas sejam mal utilizadas.

Gerry Bowler é historiador canadense especializado na interseção entre cultura popular e religião. Seu último livro chama-se “O Natal em destaque: dois mil anos de denúncia e defesa da festa mais celebrada do mundo”

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS