Presidente Jair Bolsonaro pede que Macron se desculpe após rejeitar US$ 22,2 milhões em ajuda para combater incêndios na Amazônia

"Agradecemos [a oferta], mas talvez esses recursos sejam mais relevantes para reflorestar a Europa"
Por Samuel Allegri
28 de Agosto de 2019 Actualizado: 28 de Agosto de 2019

Em 27 de agosto, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, rejeitou um pacote de ajuda de US $ 22,2 milhões do G-7 para ajudar a combater os incêndios na floresta amazônica.

Bolsonaro disse que, a menos que o presidente francês Emmanuel Macron retire alguns comentários que Bolsonaro considerou ofensivos, ele não aceitaria a oferta de ajuda.

Bolsonaro disse que Macron precisa retomar algumas de suas observações “e então podemos falar”.

O presidente Jair Bolsonaro sorri durante a cerimônia em que o tenente-brigadeiro Antonio Carlos Moretti assume o comando da Força Aérea Brasileira, na Base Aérea de Brasília, em 4 de janeiro de 2019 (Evaristo Sa / AFP / Getty Images)
O presidente Jair Bolsonaro sorri durante a cerimônia em que o tenente-brigadeiro Antonio Carlos Moretti assume o comando da Força Aérea Brasileira, na Base Aérea de Brasília, em 4 de janeiro de 2019 (Evaristo Sa / AFP / Getty Images)

Bolsonaro disse em 27 de agosto que o presidente francês o considerou um mentiroso e questionou a soberania do Brasil.

Macron mencionou os incêndios na Amazônia no topo da agenda da cúpula do G-7 na França, onde as potências mundiais prometeram milhões esta semana para combater os incêndios e plantar novas árvores diante da importância da Amazônia para o clima global.

Bolsonaro disse que a França e outros países ricos estavam tratando o Brasil como uma “colônia”.

Um incêndio queima ao longo da estrada para a Floresta Nacional de Jacunda, perto da cidade de Porto Velho, na região de Vila Nova Samuel, que faz parte da Amazônia brasileira, em 26 de agosto de 2019 (Eraldo Peres / AP Photo)
Um incêndio queima ao longo da estrada para a Floresta Nacional de Jacunda, perto da cidade de Porto Velho, na região de Vila Nova Samuel, que faz parte da Amazônia brasileira, em 26 de agosto de 2019 (Eraldo Peres / AP Photo)

“Agradecemos [a oferta], mas talvez esses recursos sejam mais relevantes para reflorestar a Europa”, disse Onyx Lorenzoni, chefe de gabinete do presidente Jair Bolsonaro, ao site de notícias brasileiro G1, segundo o Daily Mail.

“Macron não pode evitar um incêndio previsível em uma igreja que é patrimônio mundial. O que ele pretende ensinar ao nosso país? ”, Continuou, referindo-se ao incêndio de abril que devastou a catedral de Notre-Dame.

“O Brasil é uma nação democrática e livre que nunca teve práticas colonialistas e imperialistas, como talvez seja o objetivo do francês Macron”, disse Lorenzoni.

Bolsonaro, que não acredita no argumento das mudanças climáticas, criticou os possíveis doadores por terem uma “mentalidade colonial”.

“Não podemos aceitar que um presidente, Macron, dispare ataques descabidos e gratuitos à Amazônia, nem que disfarce suas intenções atrás da ideia de uma “aliança” dos países do G-7 para “salvar” a Amazônia, como se fôssemos uma colônia ou uma terra de ninguém.”.

O presidente Donald Trump expressou seu apoio a Bolsonaro no Twitter na manhã de 27 de agosto, acrescentando que ele está fazendo um “ótimo trabalho”.

Trump and Bolsonaro
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, apresenta uma camisa da seleção brasileira de futebol ao presidente dos EUA, Donald Trump, durante uma reunião no Salão Oval da Casa Branca em 19 de março de 2019 (Kevin Lamarque / Reuters)

“Conheci bem o Presidente @jairbolsonaro em nossos negócios com o Brasil. Ele está trabalhando muito duro com os incêndios da Amazônia e em todos os aspectos, fazendo um ótimo trabalho para o povo do Brasil – Não é fácil. Ele e seu país têm o apoio total e completo dos EUA! ”

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

TE RECOMENDAMOS