Primavera Árabe pode se repetir na América Latina

Estratégias e táticas usadas em todas as manifestações no Equador, Colômbia, Peru e Chile foram e são muito similares e que facilmente poderiam ser classificadas como terrorismo doméstico ou guerrilha urbana
30 de Octubre de 2019
Actualizado: 30 de Octubre de 2019

Por André Luís Woloszyn, Defesanet

Há indícios e pequenos sinais de que algo em grande escala está em andamento na América Latina e não se trata de teoria da conspiração e sim de probabilidade e na observação de eventos supostamente aleatórios.

O cenário de mobilizações populares violentas ocorridas recentemente em países como Equador, Colômbia, Peru e Chile são sinais evidentes que podem significar uma ampla estratégia de desestabilização política na parte latino-americana do continente, por meio de células autóctones, antes adormecidas, que ressurgiram com maior ímpeto, aplicando táticas dos Black Blocks, bem conhecidas no Brasil por seus atos de vandalismo e organização.

Especialmente no Chile, manuais apreendidos pela polícia daquele país trouxeram a tona esta realidade e observou-se que as estratégias e táticas usadas em todas as manifestações nestes países foram e são muito similares e que facilmente poderiam ser classificadas como terrorismo doméstico ou guerrilha urbana.

Dois pontos relevantes e ao mesmo tempo preocupantes foram citados por autoridades daqueles países: o desmantelamento gradual dos serviços de inteligência e sua transformação em inteligência de governo, o que segundo as fontes, impediu uma análise prospectiva fiel dos acontecimentos assim como o grau de probabilidade da eclosão destes movimentos, os quais estavam sendo gestados à pelo menos três meses e a infiltração de integrantes dos serviços de inteligência venezuelano e cubano nestes movimentos. A informação vinda de tais fontes podem não ser totalmente verdadeiras ou confirmadas, contudo, há alguma consistência nas argumentações, o que não afasta esta hipótese.

Se for assim, esta estratégia esta em seus estágios iniciais e se fortalece com o apoio de entidades como o Grupo de Puebla, reunidas no México. A tendência é de que estes movimentos se alastrem para outros países implantando a revolução Bolivariana criada por Hugo Chávez. Fazem lembrar o episódio conhecido como Primavera Árabe, onde países do Oriente Médio e Norte da África foram sacudidos de surpresa por ondas de protestos violentos que resultaram na queda de muitos governantes e suas ditaduras, entre os anos de 2010 e 2011 além das manifestações na França em 2018, lideradas pelos coletes amarelos.

Todos sabem e a história bem registra que é difícil resistir à forte pressão popular sem sujar as mãos, e neste sentido, ninguém está disposto a ser taxado de antidemocrático, além é claro, dos impedimentos legais, oriundos de um estado democrático de direito que impedem uma reação com a mesma intensidade e metodologia.

Nesta conjuntura, o Brasil não é exceção. Vem sofrendo constantes crises políticas e institucionais em diversas áreas e em curto espaço de tempo. O êxodo venezuelano em direção a Roraima, acarretando diversos problemas logísticos e econômicos e, mais recentemente, o desastre ambiental na Floresta Amazônica, com centenas de focos de incêndio dizimando parte da fauna e flora da região.

Dois meses após este incidente, um novo desastre, desta vez, marítimo, com o derramamento de toneladas de petróleo cru, de procedência venezuelana, um produto altamente tóxico, no litoral da região nordeste, com sérias implicações para a fauna marinha e ao turismo. Aliás, as duas últimas crises poderiam ter sido exploradas para uma mobilização nacional em defesa destes temas, aglutinando as forças políticas. Lamentavelmente, segmentos do governo não foram capazes de articulá-las, tampouco, oferecer uma pronta resposta a estes graves incidentes.

Além disso, há uma campanha permanente de desinformação em larga escala, além das chamadas Fake News, o que fomenta uma politização sem precedentes, beirando o conflito, por meio das redes sociais, situação surgida antes da campanha presidencial e que permanece com crescente força.

Na verdade, estamos vivendo em uma paz aparente enquanto sentados em um barril de pólvora, alienados do cenário internacional pelos problemas internos. Enquanto a direita se fragmenta em disputas por nacos de poder, as esquerdas se fortalecem na tradicional gangorra, entre idas e vindas.

É preciso lembrar que crises entre vizinhos, historicamente, acarretam em um efeito borboleta nos demais e não é de surpreender a ocorrência de forte mobilização popular num futuro próximo, com as mesmas características, pela mesma motivação e na defesa das mesmas causas.

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS