Seul afirma que pode acontecer nova cúpula entre Kim e Trump ainda em 2019

Por EFE
04 de Noviembre de 2019 2:15 PM Actualizado: 04 de Noviembre de 2019 2:15 PM

Seul, 4 nov – Representantes da inteligência sul-coreana garantiram nesta segunda-feira que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, parece determinado a realizar antes do final do ano outra cúpula com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para desbloquear o diálogo sobre desarmamento.

Membros do Serviço Nacional de Inteligência (NIS) sul-coreano fizeram essa declaração diante uma comissão parlamentar em Seul e acrescentaram que esperam que os dois países retomem suas negociações ainda este mês ou no início de dezembro, como explicaram os parlamentares sul-coreanos em entrevista coletiva.

“O NIS acredita que Kim decidiu realizar outra cúpula (com Trump) em dezembro”, disse o parlamentar Kim Min-ki, do Partido Democrático, em declaração publicada pela agência de notícias “Yonhap”.

Por sua parte, Lee Eun-jae, do opositor Partido Coreia Liberdade, afirmou que Pyongyang e Washington parecem estar no caminho de negociações, depois que os dois lados mostraram suas cartas na reunião realizada no início do mês passado, em Estocolmo.

Na capital da Suécia, a Coreia do Norte acusou os EUA de não oferecerem nada de novo, além de permanecerem ativos em sua “política hostil” sobre o regime e insistiu que a Casa Branca tem até o final do ano para modificar sua estratégia de negociação.

Os EUA, por outro lado, ficaram satisfeitos com os resultados da reunião.

O NIS também acredita que antes do final do ano, Kim pode visitar a China para se reunir com o presidente Xi Jinping, em comemoração aos 70 anos de relações diplomáticas entre os dois países.

O líder norte-coreano já visitou a China para se encontrar com Xi antes de suas cúpulas com Trump em Singapura e Hanói.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.