Trump recebe chanceler Ernesto Araújo na Casa Branca

Por Agência Brasil
30 de Agosto de 2019
Actualizado: 30 de Agosto de 2019

O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, reuniu-se hoje (30) com o presidente norte-americano, Donald Trump, na Casa Branca, em Washington. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, também participou do encontro.

“Foi um excelente encontro. Um encontro muito raro, deve ser uma das primeiras vezes que o presidente americano recebe pessoas que não são chefe de Estado. Isso foi uma deferência especial que mostra o caráter que tem hoje a relação Brasil-Estados Unidos”, avaliou o chanceler brasileiro.

O encontro na capital dos Estados Unidos ocorreu menos de uma semana depois da repercussão dos incêndios na Amazônia Legal durante reunião do G7 – grupo formado pelas nações mais industrializadas do mundo, que inclui Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido – em Biarritz, na França.

Washington (Estados Unidos), 30/08/2019. – O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araujo (D) e Eduardo Bolsonaro (C), filho do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. A delegação se reuniu com o presidente dos EUA, Donald J. Trump, para discutir incêndios na Amazônia e outras questões bilaterais entre os dois países (Foto: EFE / EPA / ERIK S. LESSER)

De acordo com Araújo, a visita à Casa Branca serviu para “agradecer a atuação no presidente Trump no G7 de contestar (…) ideias de que é preciso algum tipo de internacionalização da Amazônia”.

“O mundo inteiro sabe que o Brasil e os Estados Unidos têm uma relação diferenciada. Isso é importante neste momento que alguns países, talvez, um país está com ideias esquisitas sobre a nossa soberania na Amazônia. Não um país, mas um determinado líder”.

Livre comércio

Antes do início da reunião do G7, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que poderia não ratificar o recente acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia se o Brasil não desse fim às queimadas na Floresta Amazônica e chegou a falar em “internacionalização da Amazônia”.

Nos últimos dias, o governo federal mobilizou o Exército para combater o fogo na Amazônia e liberou R$ 38 milhões para ações de controle dos incêndios. o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, declarou que a ajuda prometida pelo G7 aos países afetados pelos incêndios na região amazônica é “bem-vinda” e o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto proibindo queimadas na região por 60 dias.

A inciativa do governo brasileiro na Amazônia após a reunião do G7 já obteve resultados. A Operação Verde Brasil, que reuniu várias agências públicas em torno do combate aos incêndios na Amazônia Legal, registrou diminuição nos focos de queimada.

O deputado Eduardo Bolsonaro confirmou na saída do encontro com Donald Trump que agradeceu pessoalmente o apoio norte-americano durante a reunião do G7 e assinalou a aproximação entre o Brasil e os EUA. “Todos os líderes que tentarem subjugar a soberania nacional encontraram problemas não só com o Brasil, mas também com os Estados Unidos.”

“Não podemos aceitar no Brasil é Macron, da maneira como ocorreu, falando e atentando contra a nossa soberania nacional depois vir querer fazer algum tipo de ajuda. Não é uma ajuda que vem de bom coração, é uma ajuda que vem com interesses outros”, considerou o deputado.

O presidente Jair Bolsonaro já anunciou que pretende indicar Eduardo Bolsonaro para o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. “O presidente Trump, espontaneamente, reforçou a sua intenção, de maneira bem educada, de apoiar a minha candidatura”, disse o parlamentar. “São os senadores que vão decidir o meu futuro quanto à possibilidade de ser embaixador”, completou Eduardo Bolsonaro.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS