WhatsApp deixará de funcionar nesses telefones a partir de 31 de dezembro de 2019

Por CELESTE ARMENTA
12 de Diciembre de 2019
Actualizado: 13 de Diciembre de 2019

O popular aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp anunciou uma atualização que não será mais compatível com alguns dispositivos móveis a partir de dezembro deste ano.

Em uma atualização publicada desde 7 de maio de 2019, o WhatsApp se dirigiu a seus usuários em seu blog oficial para anunciar que o aplicativo não pode mais ser compatível com as seguintes plataformas: todos os sistemas operacionais Windows Phone, em 31 de dezembro Dezembro de 2019 e Android versão 2.3.7 ou anterior, a partir de 1 de fevereiro de 2020.

Para usuários do iPhone, o aplicativo não funcionará mais se o sistema operacional for o iOS 7 ou qualquer versão anterior, também a partir de 1º de fevereiro de 2020.

“Como não estamos mais desenvolvendo funções para esses sistemas operacionais, algumas funções podem parar de funcionar a qualquer momento”, informou o aplicativo a seus clientes.

Atualmente, o WhatsApp também é compatível com dispositivos Android com sistema operacional 4.0.3 ou posterior, iPhone com iOS 9 ou posterior e alguns modelos de telefone com sistema operacional KaiOS 2.5.1 ou consecutivo, incluindo dispositivos JioPhone e JioPhone 2.

Embora a empresa reconheça os telefones celulares que fizeram parte de sua história, também afirma que “foi uma decisão difícil, mas alinhada ao nosso objetivo de oferecer às pessoas melhores maneiras de manter contato com amigos, familiares e entes queridos por meio do WhatsApp”.

O WhatsApp recomenda que seus clientes não sejam afetados pela mudança e possam continuar usando o aplicativo ao atualizar seus equipamentos para os modelos Android e iPhone mais recentes.

Número de telefone

Teléfono
O WhatsApp anunciou uma atualização que não será mais compatível com alguns dispositivos móveis a partir de dezembro deste ano (Pexels / Pixabay)

O aplicativo foi criado em 24 de fevereiro de 2009 e em agosto do mesmo ano foi lançado para o iPhone. Em outubro de 2010, também se tornou compatível com os dispositivos Android.

O WhatsApp foi fundado por Jan Koum e Brian Acton, que trabalhou por 20 anos no Yahoo. Quando a empresa começou, a realidade dos telefones celulares e a maneira como as pessoas os usavam “eram muito diferentes de como eles fazem hoje”, é relatada na mesma página.

70% dos telefones vendidos no mercado “trabalhavam com os sistemas operacionais oferecidos pela BlackBerry e Nokia”.

Por outro lado, os sistemas operacionais móveis fornecidos pelo Google, Apple e Microsoft representavam menos de 25% das vendas. Atualmente, esse número é revertido e cobre 99,5%.

Leia também:

Devido a essa alteração, o WhatsApp anunciou em 2016 que não seria mais compatível com alguns telefones que não suportam atualizações. Os dispositivos mencionados foram BlackBerry OS e BlackBerry 10, Nokia S40, Nokia Symbian S60, Android 2.1 e Android 2.2, Windows Phone 7 e iPhone 3GS / iOS 6.

“Embora esses dispositivos móveis tenham sido uma parte importante de nossa história, eles não oferecem os tipos de habilidades necessárias para expandir as funções de nosso aplicativo no futuro”, reconheceu o WhatsApp na época.

Em outubro de 2014, o WhatsApp se uniu ao Facebook, mantendo suas políticas de privacidade. Atualmente, o WhatsApp é um aplicativo gratuito de mensagens e chamadas usado em mais de 180 países por mais de um bilhão de pessoas, de acordo com informações da mesma empresa.

*************

Assista também:

A verdadeira vocação do CEO da Telecom

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS