China suspende plano de adotar combustível etanol em todo país

A suspensão do plano afeta as exportações do Brasil e dos Estados Unidos
Por Debora Alatriste, Epoch Times
09 de Enero de 2020 11:23 AM Actualizado: 09 de Enero de 2020 11:23 AM

A China suspendeu seu plano de implementar em 2020 uma mistura de gasolina com 10% de etanol em todo o país devido à queda nas reservas de milho e à capacidade limitada de sua produção, de acordo com a Reuters.

“A decisão foi tomada após a realização de um estudo mais aprofundado, que sugere que qualquer promoção de gasolina com etanol deve se basear na condição prévia de que a segurança alimentar seja garantida”, disse uma fonte referindo-se ao declínio nas reservas de milho, de acordo com a Reuters.

De acordo com o relatório de 2019 do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês), “em 13 de setembro de 2017, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China (NDRC), a Administração Nacional de Energia ( NEA), o Ministério das Finanças e 12 outros Ministérios anunciaram em conjunto um “Plano para a implementação da expansão da produção de etanol e a promoção do combustível para o transporte”.

Leia também:
China planeja abrir usinas a carvão em número equivalente à capacidade de toda União Europeia

“De acordo com o plano, a China alcançará o uso nacional de 10% de etanol (E10) até 2020”, disse ele.

O E10 foi criado para controlar as enormes reservas de milho na China e reduzir a poluição dos carros, disse a Reuters.

No entanto, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China (NDRC, na sigla em inglês) disse em uma reunião no final de dezembro de 2019 com produtores de etanol e petroleiros que o fornecimento de biocombustível seria interrompido, exceto nas províncias em que que misturas completas ou parciais foram implementadas, segundo informou a Reuters.

Segundo um especialista do governo em setembro de 2017, as reservas de milho caíram de 200 milhões de toneladas para 56 milhões, informou a Reuters.

Além disso, produtores, comerciantes e analistas apontaram que o plano desacelerou ou estagnou devido às poucas novas fábricas construídas para produção.

“Há uma grande escassez de capacidade de produção e em poucos lugares foram feitos progressos (com o lançamento do mandato)”, disse Michael Mao, analista da Sublime China Information.

“Acho que a promoção diminuiu. Podemos ter que esperar até depois de 2020”, disse Mao.

Um dos pontos do relatório do USDA afirma que, se a China não quiser depender das importações, “terá que expandir a produção de etanol combustível de 12,67 para 19 bilhões de litros (10 a 15 milhões de toneladas).

“Mesmo que os atuais projetos de etanol combustível aprovados na China aumentem a capacidade em 2,66 bilhões de litros por ano (2,1 milhões de toneladas) e entrem em operação em 2020, a produção adicional não cobrirá a demanda nacional de E10 em 2020”, acrescenta o documento do USDA.

A suspensão do plano afeta as exportações do Brasil e dos Estados Unidos.

Em agosto de 2019, o Brasil tentou participar do mercado de etanol na China, apesar de uma fonte do comerciante de commodities COFCO ter dito à Reuters na época que era improvável que a mistura de combustível planejada fosse implementada.

“A implementação tem sido lenta… O E10 foi feito apenas em algumas regiões por enquanto”, disse a fonte pedindo para não ser identificada porque não está autorizada a falar publicamente sobre o assunto.

Os EUA exportaram cerca de 20% de seu combustível para o país asiático em 2016, mas devido ao aumento nas tarifas autorizado por Pequim, as exportações começaram a declinar.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.