CIDH visitará Venezuela para verificar situação dos direitos humanos no país

Em outubro, a CIDH criou o Mecanismo Especial de Acompanhamento da Venezuela (MESEVE) para a proteção, resposta e monitoramento da crise de direitos humanos
Por Voice of America
09 de Enero de 2020
Actualizado: 09 de Enero de 2020

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) confirmou sua iminente visita à Venezuela para verificar a situação dos direitos humanos no país.

O anúncio foi feito pela presidência interina do país através de sua conta no Twitter. Na carta publicada, a comissão “confirma seu interesse em fazer a visita e anuncia sua disponibilidade para realizá-la entre 3 e 7 de fevereiro de 2020”.

No texto, dirigido ao representante do governo encarregado da Venezuela na Organização dos Estados Americanos (OEA), Gustavo Tarre Briceño, foi lembrado que, para fazer a visita, pede-se “todas as facilidades necessárias para cumprir sua missão”.

Leia também:
Irã poderá usar Venezuela para vingar Soleimani e atacar EUA

Como a carta indica, a data foi apenas sugerida. No entanto, seria o próximo passo, já que o governo encarregado liderado por Juan Guaidó os convidou em julho de 2019 depois que houve a morte, enquanto estava em custódia, do capitão Rafael Acosta Arévalo.

ONGs venezuelanas pediram que a visita seja permitida.

Em agosto do ano passado, a OEA aprovou uma resolução solicitando a visita da Comissão à nação sul-americana. Além disso, em outubro, a CIDH criou o Mecanismo Especial de Acompanhamento da Venezuela (MESEVE) para a proteção, resposta e monitoramento da crise de direitos humanos no país.

A CIDH é um órgão autônomo da OEA, cujo mandato decorre da Carta da OEA e da Convenção Americana de Direitos Humanos.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS