Meio-soprano diz contar com testemunha de assédio sexual de Plácido Domingo

Por Noticia de agencia
13 de Agosto de 2019
Actualizado: 13 de Agosto de 2019

A meio-soprano Patricia Wulf, uma ex-cantora de ópera que acusou Plácido Domingo de assédio sexual, confirmou suas acusações nesta terça-feira e disse contar com uma testemunha do suposto comportamento inadequado do tenor espanhol.

“O meu relato do que aconteceu é verdadeiro”, disse à Agência Wulf, de 61 anos, que assegura ter cantado “em múltiplas ocasiões” com Plácido Domingo na Ópera Nacional de Washington, instituição da qual o cantor espanhol foi diretor artístico e diretor-geral.

“Tenho uma testemunha que respaldará tudo isto”, acrescentou a artista aposentada, que não quis dar mais detalhes do caso porque, disse, “é muito difícil falar sobre isso”.

Em entrevista à agência Associated Press (AP), Wulf afirmou que “cada vez que saía do palco”, Domingo a esperava, se aproximava e sussurava: “Patricia, tem que ir para sua casa esta noite?”.

Pelo menos outras oito mulheres – sete cantoras e uma dançarina – formularam acusações similares contra Domingo, mas Wulf foi a única que permitiu ser identificada.

Domingo, de 78 anos, disse em comunicado à AP que sempre acreditou que todas suas “interações e relações” com mulheres foram “pactuadas” e que as “alegações” de “indivíduos anônimos aconteceram pelo menos de 30 anos atrás” e são “profundamente preocupantes” e “inexatas”.

“Reconheço que as normas e padrões da atualidade são muito diferentes do que eram no passado”, acrescentou o artista.

Wulf, que agora é uma agente de bens imobiliários, vive na área de Winchester com seu marido.

“Dou o passo adiante agora porque espero que possa ajudar outras mulheres a falerem publicamente ou a serem suficientemente fortes para dizer ‘não'”, declarou Wulf, que afirmou que após vários incidentes de assédio, em 1991 consentiu ter relações sexuais com Domingo.

Festival de Salzburgo apoia Plácido Domingo

A presidente do Festival de Salzburgo, Helga Rabl-Stadler, apoiou nesta terça-feira Plácido Domingo.

“Conheço Plácido Domingo há mais de 25 anos. Desde o princípio me impressionou, junto com sua capacidade artística, os seus modos respeitosos com todos os trabalhadores do Festival”, afirmou Rabl-Stadler em comunicado enviado à Agência Efe.

A presidente disse que Plácido Domingo “conhece todos os nomes, e agradece a cada pequena ajuda”.

A presidente justificou a decisão de manter as apresentações porque para ela sempre rege o princípio de “In dubio pro reo”, o princípio que diante da falta de provas se deve favorecer o acusado.

“Considero objetivamente incorreto e humanamente irresponsável fazer um julgamento definitivo neste momento e adotar decisões sobre essa base”, indicou a responsável do Festival sobre a atuação de Domingo.

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.

TE RECOMENDAMOS