Moradores de Hong Kong marcham apesar das proibições dias após ataque a ativista de destaque

Quatro ativistas decidiram liderar a marcha apesar da proibição policial e foram presos pela polícia
Por FRANK FANG
21 de Octubre de 2019 Actualizado: 21 de Octubre de 2019

Milhares de moradores de Hong Kong saíram às ruas na tarde de 20 de outubro, apesar da proibição policial, alguns dias depois que um ativista de destaque foi brutalmente atacado por homens armados que ainda estão soltos.

Leia também:

Os participantes da marcha, muitos deles vestidos de preto e outros com um guarda-chuva nas mãos, deixaram o Salisbury Garden em Tsim Sha Tsui por volta das 13h30, horário local. Uma hora depois, a primeira seção da marcha chegou ao seu destino, a Estação West Kowloon, que fica a 2,4 km de distância.

Os manifestantes podiam ser ouvidos gritando slogans como “cinco exigências, nem uma a menos” e “o povo de Hong Kong resiste”.

Manifestantes participam de uma marcha pela democracia no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 20 de outubro de 2019 (Ed Jones / AFP via Getty Images)
Manifestantes participam de uma marcha pela democracia no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 20 de outubro de 2019 (Ed Jones / AFP via Getty Images)

A marcha foi planejada originalmente pela Frente dos Direitos Humanos Civis (CHRF), organizadora de alguns dos maiores protestos da cidade até hoje. Segundo a mídia de Hong Kong, a polícia proibiu a marcha por medo de violência e o grupo perdeu um recurso contra a proibição apresentada em 19 de outubro.

A CHRF planejou a marcha para pedir a abolição de uma lei controversa contra a máscara, que a líder de Hong Kong Carrie Lam fez entrar em vigor em 4 de outubro depois de invocar uma lei de emergência da era colonial. A lei proíbe que os manifestantes usem máscaras faciais durante grandes reuniões públicas.

Leia também:

Quatro ativistas decidiram liderar a marcha apesar da proibição policial e foram presos pela polícia. Os quatro eram Figo Chan, 22 anos, convocador do CHRF; Leung Kwok-hung, 63, da Liga dos Social Democratas; Albert Ho, 68, ex-presidente do Partido Democrata e atual presidente da Aliança de Hong Kong em apoio aos movimentos democráticos patrióticos na China; e Cyd Ho, 65 anos, vice-presidente do Partido Trabalhista.

No momento da redação desta reportagem, o CHRF não havia publicado estimativas sobre o número de pessoas que participariam.

Antes da marcha, os organizadores não sabiam quantas pessoas se juntariam, já que o líder da CHRF, Jimmy Sham, 32 anos, foi brutalmente atacado por um grupo de pessoas armadas em 16 de outubro, abandonando-o no meio de uma poça de sangue na calçada. Segundo o CHRF, os criminosos atacaram Sham na cabeça, joelhos e cotovelos durante o atentado.

Sangue é visto além de um cordão policial, onde Jimmy Sham, convocador da Frente Civil dos Direitos Humanos (CHRF), foi agredido por quatro a cinco pessoas que empunhavam martelos no distrito de Mongkok, Kowloon, em Hong Kong, em 16 de outubro de 2019. - Uma das principais O rosto do movimento pró-democracia de Hong Kong foi levado às pressas para um hospital coberto de sangue no final de 16 de outubro, depois de ser atacado por bandidos não identificados com martelos, disse seu grupo de protesto. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site (Photo by PHILIP FONG/AFP via Getty Images)
Sangue é visto no chão, onde Jimmy Sham, líder da Frente Civil dos Direitos Humanos (CHRF), foi agredido por quatro a cinco pessoas que com martelos no distrito de Mongkok, Kowloon, em Hong Kong, em 16 de outubro de 2019. Um dos principais rostos do movimento pró-democracia de Hong Kong foi levado às pressas para um hospital coberto de sangue no final de 16 de outubro, depois de ser atacado por bandidos não identificados com martelos, disse seu grupo de protesto (Photo by PHILIP FONG/AFP via Getty Images)

Foi a segunda vez que Sham foi atacado. Ambas as vezes ocorreram antes da CHRF liderar uma importante marcha. O ataque anterior ocorreu em 29 de agosto, em um restaurante em Kowloon por dois homens mascarados com uma faca longa e um taco de beisebol.

A CHRF originalmente planejava realizar uma marcha em 31 de agosto, mas a cancelou depois de não obter a aprovação da polícia. Embora não tenham recebido permissão, milhares de pessoas foram às ruas no setor de Wan Chai e na Causeway Bay.

Em 19 de outubro, Sham publicou uma “carta de família” ao povo de Hong Kong, na qual critica o governo de Lam, que é pró-Pequim, por não aprovar a manifestação.

“O governo não tolera opiniões divergentes e não consegue resolver problemas sociais. Em vez disso, tenta silenciar as pessoas que abordam o problema ”, disse Sham.

Leia também:

Ele também solicitou cautela aos que planejavam participar da manifestação de 20 de outubro. Por favor, tome cuidado. Voltem para casa com segurança. Envio meu apoio a todos que se arriscam e se entregam a Hong Kong. ”

Por volta das 16 horas, horário local, o CRF anunciou que Sham havia deixado o hospital Kwong Wah.

Manifestantes reagem depois que a polícia disparou gás lacrimogêneo no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 20 de outubro de 2019. (Dale De La Rey / AFP via Getty Images)
Manifestantes reagem depois que a polícia dispara gás lacrimogêneo no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 20 de outubro de 2019 (Dale De La Rey / AFP via Getty Images)

Violência e vandalismo direcionado

A marcha pacífica rapidamente se transformou em confrontos entre a polícia e os manifestantes.

Por volta das 15h15 hora local, policiais da delegacia de Tsim Sha Tsui dispararam uma bomba de gás lacrimogêneo contra os manifestantes que cercavam a delegacia.

Antes da polícia tentar dispersar a multidão, alguns manifestantes pintaram o emblema da polícia na parede externa da estação com tinta preta, enquanto outros jogaram bombas de gasolina contra a estação.

A polícia implantou um veículo com canhões de água para liberar manifestantes ao longo da Nathan Road, a estrada entre Tsim Sha Tsui e Sham Shui Po.

Os manifestantes fogem do avanço da polícia enquanto implantam um canhão de água em uma rodovia no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 20 de outubro de 2019 (Dale De La Rey / AFP via Getty Images)
Manifestantes fogem do avanço da polícia enquanto esta se aproxima com um canhão de água em uma rodovia no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong, em 20 de outubro de 2019 (Dale De La Rey / AFP via Getty Images)

Depois das 15:30, horário local, as autoridades metropolitanas de Hong Kong fecharam várias estações. Segundo a estação de rádio local RTHK, foi depois que alguns manifestantes às destruíram ou incendiaram. Austin, Mong Kok, East Tsim Sha Tsui e Yau Ma Tei estavam entre as afetadas.

Leia também:

Por volta das 16h30, horário local, policiais da delegacia de Mong Kok dispararam gás lacrimogêneo contra ativistas que haviam bloqueado a Nathan Road.

Os manifestantes também atacaram lojas consideradas pró-Pequim. A partir das 17:00, horário local, uma filial do Banco da China na Nathan Road foi incendiada e uma loja pertencente à marca chinesa de celulares Xiaomi em Mong Kok sofreu atos de vandalismo.

Comício de oração em apoio aos manifestantes pró-democracia em Hong Kong, em 19 de outubro de 2019 (Ed Jones / AFP via Getty Images)
Comício de oração em apoio aos manifestantes pró-democracia em Hong Kong, em 19 de outubro de 2019 (Ed Jones / AFP via Getty Images)

No dia anterior,  centenas de pessoas, algumas agitando bandeiras americanas, se reuniram pacificamente em Edinburg Place, no centro da cidade, para pedir ajuda à comunidade internacional diante da crise humanitária que assola a cidade, informou o RTHK.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

***

Assista também: 

Os Valentes

Os Valentes

"Os Valentes" é uma série inspirada na vida e no trabalho de algumas pessoas ao redor do mundo que ousaram enfrentar um crime brutal e contínuo contra a humanidade. Essas pessoas incorporam um profundo senso de convicção e possuem valores que são verdadeiramente inspiradores para a humanidade. Nesta primeira entrevista exclusiva, conversamos com Ethan Gutmann, um jornalista investigativo indicado ao Prêmio Nobel da Paz de 2017, sobre seu trabalho ousado, seu livro especial e sua mensagem para os hispânicos.

اس پر ‏‎Epoch Times – Sublime‎‏ نے شائع کیا جمعہ، 18 اکتوبر، 2019

 

 

TE RECOMENDAMOS