Promotora do caso Marielle pede afastamento após ser tachada de ‘bolsonarista’

Por Terça Livre
01 de Noviembre de 2019 8:47 PM Actualizado: 01 de Noviembre de 2019 8:47 PM

Em carta aberta divulgada nesta sexta-feira (1º) o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPFRJ) anunciou o  afastamento da promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho do caso Marielle.

Carmen Eliza pediu para deixar o caso após ter sua imparcialidade questionada principalmente nas redes sociais. Isso porque a foto em que a promotora aparece vestindo camiseta estampada com o rosto de Bolsonaro durante o período de campanha eleitoral, viralizou na internet.

Em nota, a promotora reforçou que o art. 5º da Constituição da República assegura sua liberdade de expressão e garante a livre manifestação de sua opção política e ideológica.

“A liberdade de expressão deve ser por todos respeitada, pois somente assim podemos afirmar que realmente vivemos em um Estado Democrático de Direito. É igualmente certo que a opção política de cada pessoa, a exemplo de suas ideologias, deve ser exercida no campo próprio, no legítimo exercício da cidadania. O Promotor de Justiça não perde a sua qualidade de cidadão”, enfatiza.

Carmen atua como promotora de Justiça há 25 anos. Nesta semana, após coletiva de imprensa que participou para esclarecer/desmentir a reportagem da Globo que relacionava o nome do presidente à morte de Marielle, ela foi perseguida e tachada de “promotora Bolsonarista”.

Na tentativa de denegrir a imagem de Carmen, o jornalista do Intercept Brasil, Leandro Demori, publicou postagens da promotora no Instagram (a conta é privada) em que ela se diz emocionada pela vitória.

Alguns pedidos de afastamento de Carmen teriam sido feitos ao procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem. No entanto, voluntariamente, ela preferiu deixar o cargo.

“Em razão das lamentáveis tentativas de macular minha atuação séria e imparcial, em verdadeira ofensiva de inspiração subalterna e flagrantemente ideológica, cujos reflexos negativos alcançam o meu ambiente familiar e de trabalho, optei, voluntariamente, por não mais atuar no Caso Marielle e Anderson”.

A promotora também salientou que o fator dominante de sua opção por se afastar do cargo reside no profundo respeito aos pais da vítima, “que já sofrem com a mais dura dor, que é a perda de um filho. Não me permito que a esse sentimento se some qualquer intranquilidade motivada pela condução da ação penal, que se espera exitosa.”, concluiu.

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.