MP e relator defendem improcedência de ações que tentam cassar Bolsonaro, no TSE

Subprocurador e ministro não viram provas de que Bolsonaro atacou grupo de mulheres no Facebook
Por diário do poder
27 de Noviembre de 2019 4:19 PM Actualizado: 27 de Noviembre de 2019 4:19 PM

Em julgamento iniciado ontem no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Ministério Público Eleitoral defendeu a improcedência de duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes) ajuizadas contra a chapa do presidente Jair Bolsonaro e do vice Hamilton Mourão e contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), nas Eleições 2018. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista apresentado pelo ministro Edson Fachin, depois de o relator das matérias e corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Og Fernandes, propor o arquivamento .

Nas ações, coligações de Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (PSOL) pedem a anulação das eleições, alegando que a página do Facebook “Mulheres Unidas contra Bolsonaro” foi hackeada e teve seu nome alterado para “Mulheres com Bolsonaro #17”, com provável participação ou ciência de Jair Bolsonaro. O grupo tinha a participação de mais de 2,7 milhões de militantes contra o então candidato.

As coligações destacam, ainda, que o então presidenciável teria publicado em seu perfil oficial no Twitter a mensagem “Obrigado pela consideração, mulheres de todo o Brasil!”, acompanhada de foto da página modificada do grupo, o que sinalizaria forte elemento da provável participação de Jair Bolsonaro no episódio ou, no mínimo, de sua ciência.

Ao se pronunciar no julgamento, o vice-procurador-geral Eleitoral Humberto Jacques destacou que o responsável pela invasão não foi identificado e apontou que os autores não apresentaram provas do envolvimento de Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão e Eduardo Bolsonaro no ocorrido.

E o ministro-relator Og Fernandes concluiu que mesmo que tenha sido provada a materialidade do ilícito, nos dias 15 e 16 de setembro de 2018, as investigações não foram conclusivas quanto à sua verdadeira autoria. Assim como o representante do MP Eleitoral, o ministro concluiu que a invasão ao perfil em rede social durante menos de 24 horas não teve gravidade capaz de causar ofensa à normalidade e à legitimidade do pleito, conquanto possa repercutir em outras áreas do Direito, como a civil e a penal.

Neste sentido, o vice-procurador-geral Eleitoral argumentou que, para que seja constatado o abuso de poder ou uso indevido de meio de comunicação durante as eleições, é necessário comprovar a gravidade do ocorrido de forma que se confirme que a legitimidade e normalidade da disputa eleitoral foram comprometidas, ao concluir que isto não ocorreu neste caso.

“Reprovabilidade não é o mesmo de gravidade. Cometimento de crime não é o mesmo de abuso de poder”, ponderou Humberto Jacques, complementando que não há nada que mostre um desequilíbrio ou uma “mácula” à eleição que justifiquem a procedência das ações e a eventual cassação da chapa.

Para o ministro Og Fernandes, a rigorosa sanção de cassação do registro ou do diploma tem amparo em situações excepcionais e somente deve ser aplicada quando houver provas robustas, fortes e contundentes de autoria e participação.

Os processos relacionados ao caso são Aije 0601369-44 (PJe) e Aije 0601401-49 (PJe). (Com informações da Ascom do TSE e Secom da PGR)

Done a The Epoch Times

Cómo puede usted ayudarnos a seguir informando

¿Por qué necesitamos su ayuda para financiar nuestra cobertura informativa en Estados Unidos y en todo el mundo? Porque somos una organización de noticias independiente, libre de la influencia de cualquier gobierno, corporación o partido político. Desde el día que empezamos, hemos enfrentado presiones para silenciarnos, sobre todo del Partido Comunista Chino. Pero no nos doblegaremos. Dependemos de su generosa contribución para seguir ejerciendo un periodismo tradicional. Juntos, podemos seguir difundiendo la verdad.